A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Os fatos que ensejaram a prisão preventiva do SGT Gildson dos Santos Soares e o afastamento da Coronel QOPM/PA Andréa Keyla Leal Rocha do Comando de Policiamento Ambiental da Polícia Militar do Pará descortinaram uma situação gravíssima e surreal dentro…

Barcos regionais a motor, veleiros, vigilengas, rabetas, bajaras, canoas ubás, igarités, catraias, botes fazem parte da memória afetiva, produtiva e econômica parauara, navegando pelo oceano Atlântico, baías, rios que mais parecem mares, lagos, igarapés, furos, estreitos, igapós e campos alagados…

R$24,5 milhões para barco-hospital no Oeste do Pará

Em 2013, o Tribunal Superior do Trabalho homologou o maior acordo da história da justiça do trabalho, celebrado entre o Ministério Público do Trabalho e as empresas Raízen Combustíveis S/A (antiga Shell Química) e Basf S/A. A conciliação encerrou ação civil pública movida pelo MPT em Campinas ainda em 2007, depois de anos de investigações que apontaram a negligência das empresas na proteção de centenas de trabalhadores em uma fábrica de agrotóxicos no município de Paulínia (SP). Fruto desse acordo, foram destinados R$ 24,5 milhões à Fraternidade São Francisco de Assis, entidade filantrópica sem fins lucrativos, para a construção de um barco-hospital que atenderá cerca de mil comunidades ribeirinhas na região do Baixo Amazonas, no Estado do Pará, oferecendo as especialidades ginecologia, pediatria, urologia, oftalmologia, cardiologia, dermatologia e também odontologia. Contará com salas de mamografia, raios-x, teste ergométrico, ultrassom, eletrocardiograma e laboratório de análises clínicas. Será possível realizar cirurgias de catarata e intervenções cirúrgicas de baixa complexidade, além de prevenção contra o câncer em diversas áreas (mama, próstata, pele, colo uterino e bucal). Também será feita na embarcação coleta de dados para pesquisa junto à população ribeirinha.
O projeto prevê, ainda, duas “ambulanchas”, que serão utilizadas para visitas domiciliares ou centros de encontro nas comunidades, e que farão o atendimento preventivo, de cuidados e tratamento. 

A região a ser atendida tem 675.510 habitantes e inclui 12 municípios: Alenquer, Almerim, Curuá, Faro, Juruti, Monte Alegre, Óbidos, Oriximiná, Terra Santa, Prainha, Santarém e Belterra. Cerca de 48,37% dessa população está abaixo da linha da pobreza. A situação mais grave é em Prainha, onde esse índice é de 69,33%. Não bastasse, as comunidades ainda são impactadas pela contaminação decorrente da exposição ao mosquito transmissor da malária e ao mercúrio oriundo dos garimpos. 

Para vocês entenderem o processo: a Shell começou a operar no bairro Recanto dos Pássaros na metade da década de 70. Em 2000, a fábrica foi vendida para a Basf, que a manteve ativada até 2002, quando houve interdição pelo Ministério do Trabalho e Emprego. 

Os autos, em centenas de milhares de páginas derivadas de documentos e laudos, provam que a exposição dos ex-empregados a contaminantes tem relação direta com doenças contraídas por eles anos após a prestação de serviços na planta. Desde o ajuizamento da ação, foram registrados mais de 60 óbitos de pessoas que trabalharam na fábrica.
Mais de mil pessoas se beneficiaram do acordo, já que ele abrange, além de ex-trabalhadores contratados diretamente pelas empresas, terceirizados e autônomos que prestaram serviços às multinacionais, e os filhos de todos eles, que nasceram durante ou após a execução do trabalho na planta. 

Ficou garantido o pagamento de indenização por danos morais individuais, de 70% sobre o valor determinado pela sentença, totalizando R$ 83,5 milhões. O mesmo percentual foi utilizado para o cálculo do valor de indenização por dano material individual, que totalizou R$ 87,3 milhões. 

Já a indenização por danos morais coletivos, no valor de R$ 200 milhões, foi destinada a instituições indicadas pelo MPT, que atuam em áreas como pesquisa, prevenção e tratamento de pessoas vítimas de intoxicação decorrente de contaminação ou desastres ambientais.
O acordo também garantiu atendimento médico vitalício a 1.058 vítimas habilitadas nos autos, além de pessoas que venham a comprovar a necessidade desse atendimento no futuro, dentro de termos acordados entre as partes. 

(Com informações do Ministério Público do Trabalho em Campinas).

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *