Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Violência contra vulneráveis: denuncie!

Em Bagre, no arquipélago do Marajó, Joel Barbosa Ribeiro, 27 anos, candidato a vereador pelo PMDB no ano passado sob o apelido “Tio Jó”, foi preso por estupro de vulnerável, ontem. A vítima, uma criancinha de apenas cinco anos de idade, foi violentada ao longo de mais de um ano. Na Delegacia da Mulher do município de Breves, a criança foi amparada pela unidade do Pro Paz, recebeu apoio psicológico e fez exames médicos que comprovaram a violência sexual. Ao ser preso, o maníaco foi flagrado com uma espingarda e também autuado por porte ilegal de arma de fogo.

Tive acesso ao BO lavrado na Delegacia de Polícia Civil de Bagre e fiquei estupefata por nele constar o nome completo e até data de nascimento da criancinha, o que é uma irregularidade gritante que mostra a sua revitimização. Nem é preciso relatar os detalhes sórdidos para evidenciar o terror e a vergonha de uma menina de tão tenra idade vítima desse crime hediondo. Todos os estudos de caso apontam a culpa que a criança carrega por ter participado da vivência abusiva e o medo das consequências da revelação dentro de sua família. Esses pequeninos seres temem o castigo, o descrédito e a não proteção. Ser exposta pelo órgão que deveria garantir a sua segurança é desolador. Os danos psicológicos podem ser de igual ou maior proporção que o próprio abuso sexual sofrido. 

A cada 11 minutos acontece um estupro, no Brasil. E só 10% chegam à polícia. A Comissão Justiça e Paz da CNBB Norte II denuncia essa situação medonha há décadas. Tratando-se de violência, especialmente contra crianças e adolescentes, não há como a Polícia atuar de forma isolada, é preciso trabalhar em rede, integrada com outros serviços. Além dos profissionais de saúde, há que haver a participação dos profissionais da Assistência Social (CRAS e CREAS), do Conselho Tutelar, do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente e do Sistema de Justiça (Ministério Público, Poder Judiciário, Defensoria Pública, advogados), e o envolvimento da sociedade como um todo.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *