0

Nesta quinta-feira, 7, a partir das 19h, o “Puxirum de Ideias” vai divulgar a produção da Universidade Federal do Oeste do Pará e ao mesmo tempo homenagear os 43 anos de existência do Instituto Cultural Boanerges Sena (ICBS), iniciativa de Cristovam Sena e família.

Amazônia: espaço-estoque, a negação da vida e esperanças teimosas, de Raimunda Monteiro, docente do curso de Gestão Pública e ex-reitora da Ufopa, atualmente cedida ao Governo Federal, em Brasília, trata do modelo de integração da Amazônia ao Brasil e ao mundo e das consequências para os seus povos, no contexto dos 50 anos de construção da BR-230, a Transamazônica. Exploração, ocupação desordenada, violência contra os povos, devastação e destruição ambiental ocupam muitas das páginas, que abrem espaço também para falar de esperança. O livro é o resultado de estágio pós-doutoral na Universidade de Coimbra (Portugal).

O mundo encantado do Catalendas, de Jorgelene Santos, jornalista da Assessoria de Comunicação da Ufopa e doutora pela Universidade Fernando Pessoa (UFP – Porto, Portugal) e Universidade Federal do Rio Grande do Sul, resulta de sua dissertação de mestrado defendida em 2008, no Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (área de concentração Antropologia Social) do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal do Pará. A obra foi publicada pela Imprensa Oficial do Estado do Pará.

A Pérola do Tapajós em verso e prosa, organizado por Anselmo Alencar Colares e Maria Lília Imbiriba Sousa Colares, reúne trabalhos em diferentes formatos cujo enfoque é a cidade de Santarém. Os organizadores são docentes do Instituto de Ciências da Educação (Iced) da Ufopa.

Pós-desenvolvimento e bem viver na Amazônia: aspectos teóricos e perspectivas aplicadas, organizado por Gisele Alves (ICS/Gestão Pública), é fruto de trabalho colaborativo entre docentes e discentes da universidade a partir das atividades do grupo de pesquisa “Críticas e Alternativas ao Desenvolvimento na Amazônia”, criado em 2017 para estudar, descrever e analisar as práticas sociais comunitárias vivenciadas na Amazônia, em específico na região Oeste do Pará, sob a lente teórica do pós-desenvolvimento e sob a perspectiva prática das experiências de bem viver ao redor do mundo, registrando práticas sociais de comunidades com formas alternativas de organização da vida social, distantes dos ditames do desenvolvimento hegemônico.

Santarém: dinâmicas da ocupação e uso do território, de Márcio Benassuly (ICS/Gestão Pública) aborda esas dinâmicas a partir de 1542, data do primeiro relato de contato entre europeus e os índios Tupaiús em território santareno; o marco temporal final é o ano de 2020.

Isso tudo é encantado: histórias, memórias e conhecimentos dos povos amazônicos, produção do projeto de extensão Hora do Xibé, vinculado ao Núcleo Sacaca, reúne relatos de indígenas e moradores de comunidades tradicionais da região sobre suas crenças e suas culturas. Os autores são os professores Florêncio Vaz e Luciana Carvalho (ICS/Antropologia).

Tupaiulândia, de Paulo Rodrigues dos Santos, uma das principais obras que contam a história de Santarém, fundada em junho de 1661 pelo padre jesuíta luxemburguês João Felipe Bettendorff, publicada originalmente em 1972, reeditada em 1974 e 1999, com mais de 40 anos de anotações e pesquisas do autor, falecido ainda nos anos 1970, e que deixou um profundo legado para a memória e cultura local, ganhou nova edição de Cristovam Sena, editor e mantenedor do ICBS.

A destruição da Amazônia pela besta fera do capital e outros cordéis, do dirigente sindical e ambientalista Francisco Valter Pinheiro Gomes, conhecido como Ceará do Pará, é o segundo livro do projeto de extensão Luta pela Terra na Amazônia. Coordenado por Rogério Almeida (ICS/Gestão Pública), teve a contribuição das extensionistas Glenda Flávia Guimarães Cunha, Luana Vitória de Sousa Brito, Bianca Emanuelle Bezerra da Silva e Yasmin de Souza Corrêa, em diálogo com o Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), Comissão Pastoral da Terra (CPT) de Marabá e docentes da Faculdade de Educação do Campo da Unifesspa (Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará). Outro livro de Almeida a ser publicado durante o evento é Crônicas sobre o trecho, coletânea de 70 crônicas reunidas ao longo de várias jornadas em diferentes regiões do estado do Pará e vizinhança. As anotações encarnam uma espécie de diário de bordo. Em períodos curtos e urgentes, assim como a maioria dos parágrafos, os escritos são registros telegráficos, como se o escriba estivesse em fuga. Em suas errâncias, Almeida manifesta o zelo pela arte da escuta e da observação. O livro de crônicas pode ser lido e baixado gratuitamente AQUI.

Inscrições ao Ópera Estúdio

Anterior

Pacu, o peixe intercambista

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *