0

O relatório da Operação Caixa Preta, da PF, entregue à Justiça Federal em Brasília, aponta em 188 páginas desvio de R$ 991,8 milhões em obras de dez aeroportos contratadas entre 2003 e 2006, acusa ex-dirigentes da Infraero de receber vantagens, benefícios e prêmios, inclusive passagens aéreas, dinheiro e apartamento de luxo, de empreiteiras beneficiadas em licitações fraudulentas. O contratos foram para reformas e ampliações dos aeroportos de Corumbá, Congonhas e Guarulhos, Brasília, Goiânia, Cuiabá, Macapá, Uberlândia, Vitória e Santos Dumont.

Eleuza Lores, ex-diretora de Engenharia da estatal, movimentou mais de R$ 2 milhões no período, em seis contas correntes. A PF a indiciou por corrupção, formação de quadrilha, peculato e fraude à licitação, mas a medida foi suspensa pelo STJ.

Engenheiro civil, Eurico Loyo, ex-assessor especial da presidência da Infraero, teria se beneficiado do estreito relacionamento com representantes da Queiroz Galvão na aquisição de imóvel em Recife (PE).

Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, presidente da Academia Paraense de Jornalismo, membro da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Impostos & serviços

Anterior

Desigualdade sem limites

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *