O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Chicão, convocou e empossou Torrinho Torres, primeiro suplente do Podemos, na vaga do deputado Igor Normando, que está licenciado para exercer o cargo de secretário de Estado de Articulação da Cidadania. O novo parlamentar…

Reconhecimento máximo da Associação Paulista de Críticos de Artes a obras de Literatura, Música popular, Arquitetura, Artes Visuais, Cinema, Dança, Rádio, Teatro, Teatro Infantojuvenil e Televisão, o Prêmio IPCA, anunciado na segunda-feira, 6/2, contemplou o livro de contos “Eu já…

A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

PSOL Belém não quer apurar fake news contra sua 1ª presidente

As redes sociais estão fervendo neste domingo com a denúncia da professora doutora Sílvia Letícia Luz, fundadora do PSOL Belém, sua primeira presidente e atual diretora estadual da sigla. Vítima de desinformação e ofensas disseminadas através das redes sociais, ela propôs ao diretório do partido que exigisse das autoridades a investigação e punição aos responsáveis pelos ataques, mas a iniciativa foi vetada pela maioria de seus próprios companheiros e companheiras.

 Indignada, Sílvia Letícia publicou em suas redes sociais um manifesto e a íntegra do Boletim de Ocorrência Policial que registrou por fake news. Ela atribui as calúnias a tentativa de intimidação por sua luta à frente do Sintepp em defesa do cumprimento da Lei do Piso Salarial do Magistério e do realinhamento dos salários dos servidores municipais (R$ 869,26) ao salário mínimo nacional.

Ela também desconfia de “fogo amigo” por ter se lançado pré-candidata ao Governo do Pará. Nesse movimento ela não está sozinha: o vereador Fernando Carneiro, líder do PSOL na Câmara Municipal de Belém e membro da ala “Ação Popular Socialista, já lançou seu nome à mesma disputa, com apoio do Movimento Esquerda Socialista (MES), corrente da deputada federal Vivi Reis; da Resistência, corrente da Bancada Mulheres Amazônidas, chapa coletiva que recentemente assumiu mandato do PSOL na Câmara de Belém e da Corrente Socialista dos Trabalhadores (CST). A ex-deputada Araceli Lemos, professora e historiadora, militante dos direitos humanos e do movimento de mulheres, ex-presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará (Sintepp) e representante das Mulheres Parlamentares da União Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais (Unale) por dois mandatos, também tem sido incentivada por muita gente de dentro e de fora do PSOL a por o seu nome à disposição do partido na disputa pelo governo do Estado.

O fato da recusa de sequer investigar a origem das fake news aconteceu três dias depois de o presidente nacional do PSOL, Juliano Medeiros, ter assinado compromisso no Tribunal Superior Eleitoral no sentido de combater essa prática odiosa nas eleições, e chocou a militância psolista. Afinal, o PSOL ganhou notoriedade em nível nacional por sua coerência, em especial de seus parlamentares, na denúncia e no combate a todo tipo de crime. O prefeito Edmilson Rodrigues sempre mereceu o respeito e a admiração geral por, em toda a sua trajetória política que já dura quase quatro décadas, sempre ter se posicionado com firmeza ante injustiças e perseguições. Sílvia Letícia disse que ainda está tentando entender quais os motivos que levaram os membros da vertente “Primavera Socialista” a tamanha contradição.

Ela foi contundente em seu manifesto: “ajudei na elaboração de nosso programa e estatuto, participo diariamente da construção e fortalecimento de nosso partido. Por isso, para manter minha coerência e honestidade, seguirei, como uma mulher do povo, filha de lavadeira de roupas e de vigilante, lutando contra qualquer forma de crime e exigindo punição àqueles que de forma covarde e criminosa tentam calar minha voz e minha legítima representação à frente do Sintepp Belém. Não serei interrompida, não serei silenciada e jamais conseguirão dobrar minha espinha e me fazer ajoelhar. Sou professora e doutora em educação pela UFPA, estudei minha vida inteira na escola pública, sei o quanto é difícil chegar onde cheguei e estar ocupando a liderança que hoje tenho a responsabilidade de exercer. Como mulher trabalhadora, que nasceu e se educou na periferia de Belém, lugar onde vivem mulheres humildes, muitas mães que criam seus filhos e suas filhas sozinhas em meio a tremendas adversidades e vulnerabilidade social, minha decisão é seguir em frente. Nenhum passo atrás! Exijo das autoridades investigação e punição exemplar aos crimes de calúnia as quais estou sendo mais uma vítima”.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *