A Prefeitura de Belém está convidando os moradores da Cidade Velha à Consulta Pública sobre a reforma e revitalização do prédio ao lado da Igreja da Sé, onde por muito tempo funcionou a Fundação Cultural do Município de Belém (Fumbel).…

As eleições de 2022 coincidem com o bicentenário da Independência e os 90 anos de conquista do direito do voto feminino, ocorrida em 24 de fevereiro de 1932. Durante todo o Império, as brasileiras não puderam votar e somente 43…

O Ecomuseu da Amazônia, da Fundação Escola Bosque (Funbosque) promoveu no domingo, 25, na Ilha de Cotijuba, o roteiro patrimonial, pelo encerramento da 16ª Primavera dos Museus. Os visitantes conheceram o pólo do Ecomuseu, a história de Cotijuba, que passa…

A prefeitura de Portel, em parceria com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca, lançou na sexta-feira passada (23) o projeto Marajó Sustentável, aliado ao Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva da Seringueira no Estado do Pará…

Projeto prioriza autistas no Sisreg

Estima-se que 70 milhões de pessoas no mundo vivam sob a condição do Transtorno do Espectro Autista (TEA), quase 3 milhões delas no Brasil. Pela relevância do tema, o deputado estadual Eliel Faustino protocolou na Alepa projeto de lei que garante a prioridade na marcação de consultas e exames realizados através do Sistema Nacional de Regulação (Sisreg) às pessoas com TEA. “Nada mais oportuno do que disciplinar esse atendimento prioritário, considerando as limitações e circunstâncias que impõem atenção especial, como forma de assegurar direitos elementares para as pessoas dentro do espectro”, justifica o autor. O projeto ainda está tramitando nas comissões permanentes e em breve deve entrar na pauta de votação das sessões ordinárias.

Quem tem filho, parente ou amigo autista sabe que, apesar das leis terem avançado muito, ainda existem muitos obstáculos, por falta de informação da sociedade. Há muitos casos de alunos praticamente rejeitados por escolas particulares, que por vezes usam estratégias desumanas, criando todo tipo de dificuldade, alegando desde falta de vagas e passando pela exclusão dessas crianças dos grupos, por preconceito, sob o pretexto de preservar a integridade física dos demais estudantes. A sociedade não está preparada para lidar com crianças especiais. Mas isso tem que mudar. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *