0
O promotor de Justiça Marco Aurélio Nascimento acompanhou pessoalmente ontem à noite a operação “MP-PC“, da Delegacia de Crimes Fluviais da Polícia Civil e do Grupo Especial de Prevenção e Repressão às Organizações Criminosas, do Ministério Público do Estado, que prendeu Nazildo Moraes de Souza e Joelson Diogo Maciel Lobato, flagrados na embarcação Sombra do Mar, transportando 17 bois de Cachoeira do Arari, no Marajó, para um matadouro clandestino em Barcarena. Os dois foram autuados pelos crimes de receptação, roubo qualificado, formação de quadrilha e adulteração de marcas e sinais identificadores de propriedade do gado. Deveriam também responder pelos estragos à saúde pública.
No momento da abordagem, em um igarapé no furo do São Francisco, na baía do Arrozal, um dos tripulantes, ao avistar a lancha Ventania, da Polícia, pulou da embarcação e fugiu se embrenhando no matagal às margens do rio.
O matadouro ficava escondido no mato numa barraca de madeira sem condições mínimas de higiene nem licença para funcionar, e ainda lançava restos do gado abatido no rio, gerando poluição ambiental. O local foi interditado pelo MP.
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, presidente da Academia Paraense de Jornalismo, membro da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Ponto para a Polícia Civil

Anterior

O que falta aos paraenses?

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *