Os dirigentes do Sindicato e da Associação dos Servidores da Assembleia Legislativa festejaram o resultado da reunião de hoje com o presidente da Alepa, deputado Chicão, que também convidou para o encontro o Chefe de Gabinete da Presidência, Reginaldo Marques…

A Administração Superior do Ministério Público do Pará está empenhada em fortalecer a atuação dos promotores de justiça no arquipélago do Marajó, onde a situação de extrema pobreza, agravada pela pandemia, perpetua crimes gravíssimos como os abusos e exploração sexual…

“A Prefeitura de Belém, por meio da Comissão de Defesa Civil de Belém, informa que realizou vistoria técnica no bloco B do imóvel localizado na avenida Presidente Vargas, 762, no dia 11 de fevereiro, às 9h, em conjunto com representantes…

DEM e PSL ainda nem consumaram a fusão, prevista para outubro deste ano, mas a briga já é de foice. O ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre e o ex-prefeito de Salvador ACM Neto duelam nos bastidores pelo comando do novo…

Piratas da baía

O promotor de Justiça Marco Aurélio Nascimento acompanhou pessoalmente ontem à noite a operação “MP-PC“, da Delegacia de Crimes Fluviais da Polícia Civil e do Grupo Especial de Prevenção e Repressão às Organizações Criminosas, do Ministério Público do Estado, que prendeu Nazildo Moraes de Souza e Joelson Diogo Maciel Lobato, flagrados na embarcação Sombra do Mar, transportando 17 bois de Cachoeira do Arari, no Marajó, para um matadouro clandestino em Barcarena. Os dois foram autuados pelos crimes de receptação, roubo qualificado, formação de quadrilha e adulteração de marcas e sinais identificadores de propriedade do gado. Deveriam também responder pelos estragos à saúde pública.
No momento da abordagem, em um igarapé no furo do São Francisco, na baía do Arrozal, um dos tripulantes, ao avistar a lancha Ventania, da Polícia, pulou da embarcação e fugiu se embrenhando no matagal às margens do rio.
O matadouro ficava escondido no mato numa barraca de madeira sem condições mínimas de higiene nem licença para funcionar, e ainda lançava restos do gado abatido no rio, gerando poluição ambiental. O local foi interditado pelo MP.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *