Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Hoje, dia 23 de julho de 2021 às 19h, o Instituto Histórico e Geográfico do Pará realizada a nona “Live em Memória” da programação alusiva aos 121 anos do Silogeu, desta vez em homenagem ao centenário de nascimento do Almirante…

PF pediu prisão de Duciomar Costa

Mais uma história escabrosa de roubalheira. Roubo de dinheiro público e da dignidade da população mais pobre de Belém do Pará, lesada no seu direito humano e de cidadania, violentada no seu direito ao saneamento básico, que poderia evitar tantas doenças e mortes por doenças gastrointestinais, que são o reflexo  das condições miseráveis de moradia. Desta vez, a  Polícia Federal pediu a prisão do ex-prefeito de Belém Duciomar Costa(PTB), que não comprovou aplicação de mais de R$ 600 mil em sistema de esgoto na ilha do Mosqueiro.  

O Ministério Público Federal denunciou na quinta-feira passada, 16, Duciomar Gomes da Costa, o ex-diretor do Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Belém (Saaeb), Raul Meireles do Vale, e cinco empresários pelo desvio de R$ 607 mil em recursos federais. Conforme a procuradora da República Meliza Alves Barbosa Pessoa, convênio celebrado em 2004 entre a Fundação Nacional de Saúde e o município de Belém previa a implantação de sistema de coleta e bombeamento de esgoto sanitário na área do Pantanal.
A construtora Arteplan foi contratada pela prefeitura em 2005. Em 2006, a Funasa liberou os recursos, mas o então prefeito prestou contas de forma incompleta. Não foram encaminhados todos os documentos exigidos, principalmente os relacionados ao cronograma do projeto e ao processo de licitação.
Além disso, em 2007 uma vistoria da Funasa constatou que a obra tinha sido paralisada. Apenas 30,99% do serviço foram de fato executados. 

Duciomar Costa chegou a apresentar os documentos faltantes, mas um parecer definitivo da Funasa voltou a considerar irregular a prestação de contas, tendo em vista a interrupção da obra e o baixo percentual de sua execução.
“Conclui-se que os recursos repassados pela Funasa à prefeitura municipal de Belém, conquanto integralmente sacados da conta bancária pertencente à municipalidade a pretexto da execução do objeto conveniado, não foram empregados na implantação do sistema de esgoto, já que menos de um terço da obra foi realizada e dado o estado de abandono verificado ‘in loco’”, critica o MPF na ação. 

A prefeitura chegou a devolver à Funasa o valor  desviado, mas o MPF – com toda razão – fulmina a legitimidade do gesto. Afinal, quem repôs o dinheiro não foram os acusados, e sim a coletividade:.  “Dita devolução, entretanto, operada com dinheiro proveniente dos cofres públicos municipais, às custas da prefeitura de Belém, não tem o condão de descaracterizar o crime do art. 1º, inciso I do Decreto-Lei nº 201/67, uma vez que o tipo penal tutela a moralidade administrativa no exercício da função pública de prefeito, punindo a conduta de desvio, independentemente de seu resultado”. 

Desde 2009 o MPF ajuizou ação por improbidade administrativa contra Duciomar Costa pela não conclusão das obras de esgotamento sanitário no Mosqueiro. Na sentença do caso, publicada em 2013, a Justiça Federal suspendeu os direitos políticos do ex-prefeito por cinco anos e aplicou multa de R$ 50 mil. Duciomar recorreu contra a decisão no Tribunal Regional Federal da 1ª Região, em Brasília, e aguarda novo julgamento. O MPF quer que ele seja condenado a pena que alcança doze anos de reclusão.

Leiam aqui a íntegra da denúncia.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *