Em iniciativa inédita, o Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro celebra os percursos individuais e coletivos que construíram as políticas de salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil, lançando a obra “Em Defesa do Patrimônio Cultural”, organizado por…

Neste sábado, 16, postos de saúde ficarão abertos para a vacinação com foco em menores de 15 anos. Em Belém, 11 unidades vão funcionar das 8h às 14h. A campanha da Multivacinação iniciou no dia 04 de outubro e segue…

De autoria do carnavalesco e professor Paulo Anete, o enredo para o Carnaval 2022 da Escola de Samba Grêmio Recreativo Carnavalesco e Cultural Os Colibris, de Belém do Pará, é “Zélia Amada/ Zélia de Deus/ Zélia das Artes/ Herdeira de…

Batizada de sagui-de-Schneider (Mico schneideri), em homenagem ao pesquisador brasileiro Horácio Schneider (1948-2018), geneticista da Universidade Federal do Pará e pioneiro da filogenética molecular de primatas, a descoberta alvoroçou a comunidade científica internacional. A nova espécie de sagui amazônico do…

Mais uma mangueira derrubada em Belém

Foto: AAPBel
A presidente da Associação dos Amigos do Patrimônio de Belém, Nádia Cortez Brasil, assistiu, embasbacada, em plena manhã do domingo, dia 19 de abril, na travessa 9 de Janeiro, em um dos quadriláteros do Museu Paraense Emílio Goeldi, à derrubada de uma mangueira centenária, arrancada da calçada provavelmente para não atrapalhar a visualização e a garagem do prédio que está para ser inaugurado no local. A AAPBEL protocolará amanhã mesmo denúncia junto à Secretaria Municipal de Meio Ambiente e à Delegacia de Meio Ambiente, para saber se foi autorizada a retirada do vegetal, o que a motivou, se existe laudo técnico que recomende sua supressão e, em caso positivo, se será feito o plantio de outra árvore no mesmo local. E exigirá dos órgãos responsáveis todas as medidas cabíveis no sentido de punir, em caso de crime ambiental, bem como de reparo ao dano coletivo.

Manaus e Belém, apesar de encravadas no coração da Amazônia, são as cidades com o menor percentual de arborização urbana entre 15 cidades brasileiras com mais de um milhão de habitantes, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Belém registrou o menor percentual entre esses 15 municípios, com 22,4% do entorno dos domicílios com alguma árvore ao redor, em área pública. 

Prestes a comemorar(?) seus 400 anos, Belém tem seu patrimônio cultural desrespeitado sistematicamente, com ação ou omissão da Prefeitura, que permite a destruição do legado dos antepassados, do qual deveria ser guardiã para as futuras gerações. Além de não ampliar a arborização da cidade, não cuida do que recebeu e os munícipes assistem, perplexos, às históricas mangueiras, além de mal cuidadas, serem cimentadas criminosamente, envenenadas pouco a pouco ou mesmo serem arrancadas à luz do dia. Quando realizam serviços de manutenção da rede elétrica, telefônica e de água e esgoto,  a medida invariável é cortar árvores. A culpa, naturalmente, é de quem escolheu as mangueiras para arborizar a cidade, visto que não são adequadas para isso, atrapalham o emaranhado de fios da Celpa, os bueiros da Cosanpa e do Saaeb, os dutos da telefonia. Um estupor!

A necessidade de arborizar cidades é notória, principalmente em cidades da zona equatorial, onde a incidência de radiação solar é elevada. Mas os bairros do Jurunas, Condor, Cremação, Comércio, Reduto, Val-de-Cans e Canudos, em Belém, são devastados, áridos, neles a cobertura vegetal não ultrapassa 5%. E são justamente os que concentram a maior população, cerca de 34,5% dos habitantes da capital. Marco e Souza seguem no mesmo ritmo. Nazaré e São Braz são os mais verdes da cidade, ainda assim as árvores cobrem menos da metade do bairro. Aberrações típicas de uma economia que privilegia a especulação imobiliária e onde o poder público permanece mudo e quedo
Foi em meados do século XIX que iniciou o plantio de mangueiras em Belém, introduzido em 1780 pelo arquiteto e naturalista Antônio Landi, que primeiro cultivou a nova planta em casa, segundo informa Meira Filho no livro “Evolução Histórica de Belém do Grão Pará” ( 1976). As mangueiras aqui chegaram, por volta de 1700, via Nordeste, trazidas pelos portugueses, depois de descobertas as rotas marítimas entre a Europa e a Ásia. Fotos de postais da fase áurea da borracha mostram como eram os principais corredores da cidade, com os seus “túneis de mangueiras”. O costume dos moradores de Belém, que se tornou traço cultural, de correr ao vê-las cair e juntar as mangas na rua, depois da chuva ou de uma ventania qualquer, hoje quase não existe mais. Assim como não mais se justifica a alcunha “Cidade das Mangueiras”. E ninguém vai fazer algo?!

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *