Na terça-feira da semana passada (19), quando estava em votação no plenário da Assembleia Legislativa projeto de Indicação de autoria da deputada Professora Nilse Pinheiro transformando o Conselho Estadual de Educação em autarquia, detentora de autonomia deliberativa, financeira e administrativa,…

A desgraça sempre chega a galope, mas tudo o que é bom se arrasta indefinidamente no Brasil, o país dos contrastes e contradições, rico por natureza, com poucos bilionários e povo abaixo da linha da pobreza. Parece inacreditável, mas tramita…

O prefeito de Oriximiná, Delegado Willian Fonseca, foi reconduzido ao cargo pelo juiz titular da Vara Única daComarca local, Wallace Carneiro de Sousa, e literalmente voltou a tomar posse nos braços do povo. Era por volta do meio-dia, hoje (26),…

A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda…

PECs da reforma política em debate

O diretor da secretaria executiva do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral e secretário executivo da Comissão Brasileira de Justiça e Paz, Carlos Moura, participam hoje, às 14:30h, no Plenário I do Anexo II da Câmara dos Deputados, da audiência pública para debater a Proposta de Emenda à Constituição nº 344/2013 e suas apensadas (PEC34413, PEC-345/2013, PEC-352/2013), além do programa Expressão Nacional – exibido ao vivo às 21:30h pela TV Câmara e pela internet no www.camara.leg.br/tv –, que discutirá o tema “Reforma Política – sistema eleitoral e financiamento nas campanhas”. Qualquer pessoa pode participar enviando perguntas para o e-mail expressaonacional@camara.leg.br, pelo telefone 0800 619 619 ou pelo twitter @xnacional. 

A PEC 344-A, de 2013, “altera o art. 17 da Constituição Federal, condicionando o acesso dos partidos políticos ao fundo partidário e ao uso gratuito do rádio e da televisão a prévia disputa eleitoral e à eleição de representante para a Câmara dos Deputados ou o Senado Federal”. 

O parecer proferido em plenário pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania foi no sentido da admissibilidade da PEC 352/13, apensada (relator deputado Espiridião Amin).

A
 proposta assegura a participação no rateio dos recursos do fundo partidário e o acesso gratuito ao rádio e à televisão apenas aos partidos que tenham disputado, com candidatos próprios, a última eleição geral para a Câmara dos Deputados e conquistado pelo menos uma cadeira na Casa ou no Senado Federal. A ideia é prestigiar a representação política, fortalecer a exigência do caráter nacional das agremiações partidárias e preservar a segurança jurídica, indispensável à incolumidade do Estado Democrático de Direito, não raro banalizada por decisões divergentes e cambiantes. 

É cediço que não há democracia sem partidos políticos. Trata-se de uma noção elementar, sedimentada ao longo dos séculos, desde a antiguidade greco-romana. Coerente com ela, o constituinte de 1988, além de consagrar o pluralismo político como um dos fundamentos da República, situou a liberdade político-partidária em capítulo específico, no âmbito dos direitos e garantias fundamentais, favorecendo a aglutinação de ideias e ideologias distintas em representações políticas.
Isso não significa, porém, que o Estado deva custear, com dinheiro do contribuinte, o funcionamento e a propaganda de partidos surgidos artificialmente, que não tenham passado pelo crivo das urnas ou que foram rechaçados pelo eleitorado. Afinal, a liberdade partidária, corolário do pluralismo político, está associada à soberania popular e ao caráter nacional dos partidos, igualmente constitucionalizados como inerentes à República.
A criação de partidos é livre, mas não ilimitada. Não se trata de um direito absoluto, como não o são o direito à vida, à liberdade, à propriedade ou a qualquer outro que a Constituição consagra. Pressupõe, obviamente, partidos autênticos, fundados na clareza de ideias e na prova das urnas, sob pena de subversão da própria ordem democrática, cuja essência repousa no secular princípio segundo o qual o poder emana do povo e em seu nome é exercido. Com maior razão, o erário não deve ser usado de forma permissiva para custear partidos sem o mínimo respaldo popular, prévia  e eleitoralmente aferido. 

O entendimento é que a iniciativa não restringe a liberdade partidária. Tampouco se confunde com cláusula de barreira ou de bloqueio. Esta consiste em inibir a organização ou o funcionamento dos partidos que não atinjam determinado percentual de votos.  O que está proposto só exige que o acesso a recursos públicos, seja do fundo partidário ou do uso gratuito dos meios de comunicação, fique condicionado à aprovação nas urnas. Na hipótese, bastará a conquista de uma única vaga em qualquer das Casas do Parlamento nacional, mínimo que se pode esperar de qualquer organização partidária que se proponha a pugnar pelos superiores interesses na Nação.
Tal condição não afeta nem cerceia a liberdade ou autonomia dos partidos. 

A questão é simples: se um partido sem representante no Parlamento não tem legitimidade sequer para questionar a constitucionalidade de uma lei perante o Supremo Tribunal Federal, reconhecida até a segmentos sem densidade eleitoral, como consentir que ele use dinheiro público, como outros devidamente avalizados pelo eleitor, de onde provêm os recursos? 

Não à toa, é crescente o descrédito da população com os políticos, evidenciando uma profunda crise no sistema representativo. A sociedade reage aos escândalos de corrupção, que têm origem no financiamento privado de campanha, exigindo rigor na fiscalização e punição dos culpados. O cerne da ampla reforma política clamada pela população e que o País tanto precisa consiste no estabelecimento de regras claras e decentes quanto ao financiamento – privado e público – das campanhas eleitorais. 

Para a mesa de debates estão convidados o Tribunal Superior Eleitoral; Supremo Tribunal Federal; Procuradoria Geral da República, Ministério Público Eleitoral; Confederação Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB; Ordem dos Advogados do Brasil – OAB; Universidade de Brasília – UNB; Central Única dos Trabalhadores; Movimento Nacional Contra a Corrupção e Pela Democracia; Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral – MCCE; UNE – União Nacional dos Estudantes; Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura – Contag; Plataforma dos Movimentos Sociais Pela Reforma do Sistema Político – INESC; Movimento dos Trabalhadores Sem Terra – MST; Campanha pelo Plebiscito Oficial da Constituinte Exclusiva e Soberana do Sistema
Político; e Associação Brasileira dos Magistrados Procuradores e Promotores Eleitorais. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *