Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Oriximiná sem luz, água, saúde e cidadania

Em Oriximiná – um dos municípios mais ricos e belos do Pará, onde a natureza luxuriante tem o seu santuário na Reserva Biológica do Trombetas, a diversidade inclui imensas áreas quilombolas e terras indígenas com onze aldeias da etnia Wai-Wai e há mais de trinta anos a Mineração Rio do Norte lavra bauxita -, a população sofre o refrão da marchinha de carnaval, “de dia falta água, de noite falta luz”, por causa do racionamento de água e de energia elétrica. O comércio e a indústria não conseguem se desenvolver, as famílias têm prejuízos com eletrodomésticos e o suplício parece não ter fim, pelo menos a curto prazo. Os apagões são alvo de jogo de empurra entre a Celpa e a Guascor, empresa responsável pela geração de energia na cidade, através de cara e obsoleta termelétrica.
Boatos não desmentidos pela concessionária dão conta de que a melhor máquina foi retirada da usina e enviada ao município de Monte Alegre, por conta do fim do contrato da empresa com Oriximiná, e outro equipamento seria retirado, e o rebaixamento do “linhão” de Tucuruí está previsto para 2017.

No Hospital Municipal de Oriximiná, as denúncias proliferam. Muitas vidas de bebês vêm sendo salvas graças à ação incansável do médico pediatra Sidney Barbosa e de algumas enfermeiras que bombeiam manualmente oxigênio, porque – acreditem! – não há um só respirador artificial no hospital, assim como vários outros equipamentos que ajudariam a salvar vidas, e isto há anos. O pediatra atende de 8h da manhã até às 22h e não dá conta de tantos pacientes. No posto de saúde do bairro da Cidade Nova, a queixa vai da falta de técnicas em enfermagem suficientes para atender a demanda e de funcionário responsável pelo setor de vacinação à falta de médicos. Consequentemente, a demora é muito grande no atendimento, e muitos pacientes do interior gastam com passagens e alimentação e não conseguem ser atendidos.
A enfermeira responsável pelo Posto confirmou a falta de profissionais em entrevista ao programa Cidade Livre, do jornalista Valdo Florenzano, e disse que a Secretaria de Saúde já foi avisada, mas ainda não solucionou o problema. 

Já na Maternidade São Domingos Sávio, a jovem Pauliane Gonçalves Pantoja, de 21 anos, moradora do Salgado, faleceu depois que foi obrigada, segundo a família, a fazer um parto normal forçado, com o bebê já morto em seu ventre. Não havia médico no local.
A cunhada de Pauliane, sua acompanhante, contou que ela começou a perder muito sangue e só então lhe pediram para chamar outros parentes porque seu estado era grave.
O pai de Pauliane, Paulo Pantoja, denunciou que em nenhum momento cogitaram realizar uma cirurgia para retirar a criança já morta e que, certamente, a falta de atendimento adequado contribuiu decisivamente para a morte de sua filha.

No ano passado, dois agentes de trânsito do município foram escorraçados por populares enfurecidos, que queimaram suas casas, em reação aos constantes achaques de que eram vítimas. O caso teve enorme repercussão, ambos fugiram para Santarém, onde estabeleceram residência, mas continuam recebendo normalmente seus salários pela Prefeitura. Não há um só sinal luminoso de trânsito na cidade, quem precisa tirar a carteira de habilitação tem que ir a Santarém ou esperar muitos meses a equipe volante do Detran-PA.

O Ministério Público Estadual local até agora não tomou providências em relação a essa grave situação e a várias outras que exigem a atuação dos órgãos que têm a responsabilidade de zelar pela população. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *