Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

180 anos da Cabanagem


Em 7 de janeiro de 1835 eclodiu a Cabanagem, a maior revolução popular brasileira, marco da história da Amazônia, do Pará e do Brasil, ainda hoje um desafio instigante para ser compreendida em sua real dimensão. O maior historiador da Cabanagem, Domingos Antônio Raiol, registra que o movimento resultou de uma sucessão de motins políticos, título do seu livro “Motins Políticos”, publicado em cinco tomos, entre 1865 e 1890, escrito 30 anos depois dos acontecimentos violentos e sangrentos (Raiol, Domingos Antônio. Motins Políticos ou História dos Principais Acontecimentos
Políticos na Província do Pará desde o ano de 1821 até 1835. Coleção Amazônica, Série
José Veríssimo, Belém, Universidade Federal do Pará, 1970). Raiol era da Vigia, o núcleo europeu mais antigo do hinterland amazônico que resistiu aos cabanos. Tinha o título nobiliárquico de barão do Guajará. Seu pai, um português, foi morto pelos revoltosos. Eis alguns trechos de sua obra, um clássico que eterniza em suas páginas o drama daqueles dias conturbados:

Quem dera que as páginas sangrentas da história paraense possam inspirar lições salutares de moralidade aos pregoeiros das más doutrinas, aos instigadores das multidões contra as leis e os princípios de justiça, com sacrifício da ordem e das próprias garantias individuais. Os erros de uns hoje geram os erros de outros amanhã.” (Raiol, 1970: 920).

Como entre os romanos a luta incandescente dos plebeus contra os patrícios,
assim a revolta dos cabanos desenvolveu-se sem tréguas contra várias classes,
porém mais encarniçada e cruel, por não ter nenhum princípio ou interesse geral
que lhe servisse de móvel
“. (Raiol, 1970: 925). 

“As multidões agitadas não aceitam contraditas nem correções penais aos seus desatinos; são inconstantes e insaciáveis; como elevam, assim abatem. Sirva-nos de lição a antiga Roma: as legiões pretorianas em menos de um ano confiaram o poder supremo e sucessivamente assassinaram a Galba, a Óton e a Vitélio. Além das indisposições pelos castigos infligidos, havia ainda contra Eduardo Angelim o descontentamento pelas preterições nas nomeações de empregos, nos quais os rebeldes esperavam ser contemplados”. (Raiol, 1970: 935). 

Descrevendo a tirania de um Verres, a ambição de um Catilina, (…) a história
demonstra que as calamidades públicas provêm quase sempre do ódio, da inveja,
da coleta, do orgulho, do amor-próprio desordenado, desses outros sentimentos
que transviam o coração humano. E descrevendo a abnegação de um Sêneca, o
patriotismo de um Catão, o afeto filial de um Coriolano, produz a emulação por
essas grandes virtudes que arrastam o homem aos sublimes cometimentos de
heroísmo por amor da humanidade, da pátria e da família.”
(Raiol, 1970: 416). 

Outra obra importante sobre o período é a peça teatral escrita por Nazareno Tourinho (Cabanagem, editora Paka-Tatu, 66 páginas) talvez o mais antigo dramaturgo do País ainda em atividade, que oferece ao público um roteiro esquemático e didático da Cabanagem.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *