A Prefeitura de Belém está convidando os moradores da Cidade Velha à Consulta Pública sobre a reforma e revitalização do prédio ao lado da Igreja da Sé, onde por muito tempo funcionou a Fundação Cultural do Município de Belém (Fumbel).…

As eleições de 2022 coincidem com o bicentenário da Independência e os 90 anos de conquista do direito do voto feminino, ocorrida em 24 de fevereiro de 1932. Durante todo o Império, as brasileiras não puderam votar e somente 43…

O Ecomuseu da Amazônia, da Fundação Escola Bosque (Funbosque) promoveu no domingo, 25, na Ilha de Cotijuba, o roteiro patrimonial, pelo encerramento da 16ª Primavera dos Museus. Os visitantes conheceram o pólo do Ecomuseu, a história de Cotijuba, que passa…

A prefeitura de Portel, em parceria com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca, lançou na sexta-feira passada (23) o projeto Marajó Sustentável, aliado ao Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva da Seringueira no Estado do Pará…

O potentado parauara

No Pará acontecem fatos incríveis. O Estado é riquíssimo em minerais, vegetais e animais, tem a maior bacia hidrográfica e a maior floresta do planeta, mas a maioria absoluta de sua gente sobrevive abaixo da linha da pobreza. Nesse cenário de exuberância e miséria, onde a desigualdade é gritante, surge o mais novo fenômeno eleitoral do país: o jovem empresário Ailson Souto, que almeja assento na Assembleia Legislativa e declarou à Justiça Eleitoral ter patrimônio de R$ 448 milhões. Há dez anos, Ailson se candidatou ao modesto cargo de vereador em Porto de Moz, cidade de 41 mil habitantes no oeste do estado, e não se elegeu. Era do PPS, Coligação Unidos por Porto de Moz (PDT / PMDB / PR / PPS / DEM / PV / PSDB), conseguiu menos de 150 votos e ficou na suplência. Naquela época, aos 28 anos, ensino médio incompleto, solteiro, sua declaração de renda totalizava módicos R$15 mil. Seus bens se resumiam a um terreno de R$ 10 mil, e hoje seus imóveis valem R$ 390 milhões, mais R$ 9,1 milhões em “joia, quadro, objeto de arte, de coleção, antiguidade” e outros R$ 39,5 milhões em dinheiro vivo, em moedas estrangeiras.

Os dados estão disponíveis no sistema de Divulgação de Candidaturas e Contas Eleitorais do Tribunal Superior Eleitoral. Ailson mora em uma casa avaliada em R$350 mil e salienta que suas empresas declaram tudo ao IRPJ, “recolhendo a integralidade dos impostos devidos, assim como o candidato pessoa física”. Ele justifica a origem de sua impressionante fortuna com a mudança de ramo: saiu da área de eletrônicos, passou ao setor imobiliário e também à construção civil e aluguel de aeronaves.

O candidato com maior fortuna declarada em todo o país é Marcos Ermírio de Moraes (PSDB), com um patrimônio de R$1,2 bilhão. Ele é filho do lendário bilionário Antonio Ermírio de Moraes, fundador e dono do Grupo Votorantim, e pela primeira vez se candidata, a suplente do candidato ao Senado por Goiás, Marconi Perillo.

Luiz Felipe D’Ávila, o candidato do Partido Novo, é o mais rico entre os que disputam a Presidência da República este ano. Seu patrimônio total é de R$ 24.619.627,66, míseros perto do milionário parauara. Até mesmo o banqueiro João Amoêdo, que concorreu pela sigla em 2018, registrou um patrimônio de R$ 425 milhões (curiosamente, a diferença a menos que Ailson corresponde ao declarado por D’Ávila).

Sabe-se que há vários milionários concorrendo a uma vaga na Alepa e na Câmara Federal. Talvez nem todos declarem o que têm. Às vezes o estilo de vida não é compatível com a declaração de bens oficial. Até a segunda-feira, dia 15, prazo final para o registro, pode ser até que apareça mais algum potentado parauara. A conferir.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

1 comentário

  1. Patrimônio invejável este do Ailson, pergunta, com tanto dinheiro o que será que o atrai a entrar na vida pública?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *