O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Chicão, convocou e empossou Torrinho Torres, primeiro suplente do Podemos, na vaga do deputado Igor Normando, que está licenciado para exercer o cargo de secretário de Estado de Articulação da Cidadania. O novo parlamentar…

Reconhecimento máximo da Associação Paulista de Críticos de Artes a obras de Literatura, Música popular, Arquitetura, Artes Visuais, Cinema, Dança, Rádio, Teatro, Teatro Infantojuvenil e Televisão, o Prêmio IPCA, anunciado na segunda-feira, 6/2, contemplou o livro de contos “Eu já…

A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

O Pará exige Justiça!

O julgamento do fazendeiro e ex-deputado estadual Osvaldo dos Reis Mutran, o Vavá, 79 anos, por matar com um tiro na cabeça uma criança de 8 anos de idade, e que seria nesta quinta-feira, 7, foi adiado para 9 de junho, às 8 horas, no Fórum Criminal de Belém. Seus advogados alegaram – vejam só – que os médicos de Vavá Mutran o orientaram para que não se deslocasse para Belém por questões de saúde, e o titular da 1ª Vara do Tribunal do Júri da Capital, juiz Edmar Silva Pereira, deferiu o pedido.
O adiamento é alarmante, porque sinaliza a impunidade. O Júri popular vem sendo protelado há 9 anos e se ficar para 2012, o processo será prescrito. Causa estranheza a alegação da defesa: se alguém que está em Marabá precisa de cuidados médicos, claro que terá mais recursos na capital, Belém, e não o contrário. Mais: assunto tão grave foi ignorado pelo departamento de Comunicação do TJE-PA, que não deu uma linha sobre o caso no site do tribunal.
Vavá assassinou o pequeno David em 4 de dezembro de 2002, depois de ameaçar matar quem jogasse futebol no terreno atrás de sua residência. O garotinho estava amarrando seu tênis quando o acusado surgiu por trás dele e o mandou correr. David correu, mas foi seguido por Vavá e baleado uma única vez, além de sofrer agressões pelo corpo. A criança morreu dentro da ambulância a caminho do Hospital Municipal de Marabá.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *