Lançamentos literários, apresentações de teatro, oficinas voltadas para as culturas pop e japonesa, arrecadação de livros, atividades pedagógicas e lúdicas direcionadas ao público infantil, entre outras ações, estão no cardápio de cultura e arte servido aos visitantes do estande da…

O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

O algoz da população de Belém

O promotor de justiça Raimundo de Jesus
Coelho  de Moraes recomendou expressamente ao presidente da Câmara
Municipal de Belém, Raimundo Castro, que não seja colocado em debate o projeto
de lei nº 07/2011 – CMB, de autoria do quase ex-vereador Gervásio Morgado(PR),
que altera o Plano Diretor do Município, permitindo o uso de comércio
varejista/comércio atacadista e depósito à Zona Amortecimento Urbano 6 – Setor
III, onde fica a faixa lindeira (ao redor de locais protegidos, a exemplo da
Área de Proteção Ambiental de Belém e do Parque Ambiental Estadual do
Utinga, que abrigam os mananciais que abastecem Belém) do lado direito da
Av. Almirante Barroso, do bairro do Souza até o Shopping Castanheira. Ou seja,
todo o complexo do Entroncamento e mais o seu entorno.
O MP adverte que a votação só deve acontecer
depois que o Grupo Técnico examinar o projeto de lei, que tem que cumprir
a tramitação regular, o que inclui audiência pública e aprovação nas comissões
respectivas. Na avaliação do promotor, desta maneira o debate fica garantido e
se evitam “erros e decisões açodadas ao
arrepio do interesse público ou provocadora de mais problemas de gestão
urbanística”.
Uma das integrantes do GT é servidora do
Ministério Público do Estado e seu parecer técnico salienta que o projeto de Morgado
não apresenta viabilidade técnica de implantação e execução. Informa, ainda,
que existe conflito com vários aspectos de interesse público urbanístico
relevantes: “Caso tal projeto de lei seja
aprovado, será permitida a construção de empreendimentos caracterizados como polos
geradores de tráfego, causando em tais vias aumento no trânsito de veículos
individuais e de carga. Ou seja, todo o transtorno à população durante as obras
e o investimento de recursos públicos no Projeto do BRT seria em vão
”.

O quase ex-vereador, como de costume, já fez diversas tentativas de colocar em pauta na marra o projeto. Inclusive hoje. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *