Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

MuCA deve ficar pronto ainda neste semestre

O Secretário de Estado de Turismo do Pará, André Dias, está em agenda com representantes do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) nos municípios de Santarém e Belterra até este domingo (20), na região do Tapajós. Trata da captação de recursos e investimentos em empreendimentos turísticos, e vistoria as obras do Museu de Ciência da Amazônia (MuCa), cuja inauguração está prevista para ainda neste primeiro semestre, em Belterra. Na última quinta-feira (17) e sexta-feira (18), a comitiva visitou as obras e edificações da Vila Americana que compõem as instalações do MuCa e conheceu o Plano Museológico, bem como assistiu à apresentação sobre o espaço, suas demandas e cronograma de execução. Um momento especial foi a visita à hospedaria do MuCa para conhecer os projetos de formação empreendedora com jovens do Ensino Médio.

“O BNDES foi recebido para tomar conhecimento das potencialidades turísticas de Santarém e Belterra. Fomos convidados pela Setur para o evento, uma vez que o turismo também é uma vertente do desenvolvimento econômico, e como a diretriz do governador Helder Barbalho é de que as Secretarias do Estado trabalhem sempre juntas, estamos aqui em parceira com a Setur e Secult com este intuito, priorizando a geração de emprego e renda para a população”, comentou o secretário adjunto de Desenvolvimento, Mineração e Energia, Carlos Ledo.

Também estão lá representantes do Ministério do Turismo (MTur), Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Secretaria do Patrimônio da União (SPU), Ministério Público, Sebrae e os prefeitos de Santarém, Nélio Aguiar, e de Belterra, Castro Macedo. Em reuniões de trabalho, estão sendo pensados novos projetos para o desenvolvimento do turismo no Tapajós, revela o secretário André Dias, explicando que o MuCA está sendo construído na área da antiga Vila Americana, e além dos significados artísticos, educativos e museológicos, vai fomentar a qualificação e capacitação profissional dos próprios habitantes de Belterra, que irão se apropriar do equipamento, gerando novas possibilidades por meio do turismo científico e da educação empreendedora em áreas científicas, produtivas, turísticas e culturais focadas na preservação da floresta e seus recursos naturais.

O investimento total no Museu de Ciências da Amazônia é de R$ 17,6 milhões, R$ 10,5 milhões financiados pelo BNDES, que incluem a restauração das duas caixas d’água e do Hospital Henry Ford, sede do MuCA, e o restante financiado pelo Governo do Estado para a recuperação do sistema de abastecimento de água de Belterra e manutenção das edificações. O museu será composto por dois laboratórios, duas áreas expositivas, e um auditório multimídia de 60 lugares, coleção natural de espécies da Amazônia e área educativa e administrativa. O Instituto Butantan, um dos parceiros do projeto, irá deslocar seu quadro de pesquisadores e técnicos para apoiar as atividades museológicas e educativas. Já a Fundação Getúlio Vargas entrará como parceira na educação empreendedora com foco na bioeconomia.

A área de pesquisa do museu será dotada de uma sala para preparo de materiais para os laboratórios, recepção para animais peçonhentos e outros, com sala anexa para orientação e trabalho em grupos e um laboratório multidisciplinar com utilização para diversos fins, como por exemplo, microbiologia, zoologia e ecologia. O setor de exposições abrigará mostras temporárias, com temas relacionados à saúde, meio-ambiente e ciências, uma sala para coleções zoológicas com laboratório de apoio e outra de exposição permanente de acervos e documentação da história da saúde em Belterra. O programa educativo do MuCa tem como objetivo aproximar a comunidade local das pesquisas produzidas pelos cientistas na região, demonstrando o potencial da biodiversidade do território relacionado ao rio Tapajós.

Inicialmente intitulado “Museu de Selva”, o MuCA resulta de um projeto do Instituto Butantan em conjunto com a Organização de Desenvolvimento Cultural e Preservação Ambiental (Ama Brasil), com sede em São Paulo. A parceria com a prefeitura municipal foi firmada em 2015, mas a execução do projeto só começou no final de dezembro do ano seguinte. Entretanto, o empreendimento cresceu muito mais. Com base em parceria com o governo do Estado, a organização social de interesse público (Oscip) conseguiu mais de R$ 19 milhões, obtidos principalmente através de doações e subvenções do BNDES, através dos ministérios da Cidadania e da Cultura, e aportes de empresas, lideradas pela DTA Engenharia.

O projeto arquitetônico concebido em 2010 pelo escritório Costa e Macedo Arquitetos Ltda e Gepas Arquitetura e Restauração Ltda, em área de dois mil metros quadrados, toma como base terreno circular para a implantação de um edifício quadrado com pátio central e aberturas para todas as faces. Sobre uma plataforma elevada do solo, a estrutura de madeira segue um simples, porém rigoroso, sistema modular para abrigar os programas do Museu, áreas técnicas e administrativas, bem como as áreas de interação e convívio dos visitantes. A circulação pode ser feita seguindo o projeto expográfico ou, de modo informal, pela varanda interna coberta que encerra o pátio central. Amplas aberturas permitem a iluminação natural de forma lateral, evitando sombras sobre as bancadas de trabalho, além de favorecerem a ventilação cruzada que, consideradas as orientações do terreno e da própria construção, ampliam a eficiência energética

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *