A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O governador Helder Barbalho está soltando a conta-gotas os nomes dos escolhidos para compor o primeiro escalão de seu segundo governo. Nesta quarta-feira será a posse dos deputados estaduais e federais e dos senadores, e a eleição para a Mesa…

Pela primeira vez na história, está em curso  um movimento conjunto da Academia Paraense de Letras, Academia Paraense de Jornalismo, Instituto Histórico e Geográfico do Pará e Academia Paraense de Letras Jurídicas, exposto em ofício ao governador Helder Barbalho, propondo…

MPF acusa bando que fraudou Previdência

Treze integrantes de uma organização que desviou R$ 14 milhões da Previdência Social no Pará, a partir de Redenção e São Félix do Xingu, em 2013 e 2014, foram denunciados à Justiça pelo Ministério Público Federal, por formação de quadrilha, estelionato, inserção de dados falsos em sistema de informações, corrupção passiva, lavagem de dinheiro, comunicação falsa de crime e exercício ilegal de profissão. Dois servidores públicos repassaram suas senhas do Sistema Nacional de Emprego (Sine) ao grupo para possibilitar fraude no sistema de seguro-desemprego. Utilizando dados de trabalhadores empregados, eles forjavam a necessidade de concessão do benefício e ficavam com o dinheiro.
Com um programa de informática “robô”, o técnico em contabilidade Francinaldo da Silva Barbosa, 
acusado de liderar o grupo, fez cem milhões de acessos ao sistema de inserção e alteração de requerimentos de seguro-desemprego, fraudando bancos de dados da administração pública, especialmente os do Ministério do Trabalho e Emprego. A quadrilha aliciava funcionários de grandes empresas para que, em troca de uma comissão, oferecessem a colegas de trabalho adiantamentos fraudulentos do seguro-desemprego. Os aliciados conseguiam toda a documentação e faziam saques ilícitos.

Leiam a íntegra da denúncia do procurador da República Felipe Giardini aqui.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *