Hoje a Assembleia Legislativa do Pará retomou seus trabalhos no segundo período legislativo do terceiro ano da da 19ª Legislatura, de forma totalmente presencial, apesar da reforma do prédio sede do Palácio Cabanagem e do próprio plenário Newton Miranda. Após…

Em visita oficial, a Academia Paraense de Jornalismo e a Comissão de Defesa do Patrimônio Histórico do Instituto Histórico e Geográfico do Pará pediu ao prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, o veto à alteração dos nomes da Rua da Municipalidade…

O IV Distrito Naval da Marinha do Brasil, em parceria com o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), Praticagem da Barra do Pará, Sociedade Amigos da Marinha Pará, Secretarias de Saúde de Barcarena e do Estado do Pará, Tribunal…

Guy Veloso, filho do saudoso jurista, notário e político Zeno Veloso, plantou em sua memória um pé de baobá na Universidade Federal do Pará, onde o ilustre parauara se destacou como professor de direito civil e direito constitucional, formando gerações…

MPF acusa bando que fraudou Previdência

Treze integrantes de uma organização que desviou R$ 14 milhões da Previdência Social no Pará, a partir de Redenção e São Félix do Xingu, em 2013 e 2014, foram denunciados à Justiça pelo Ministério Público Federal, por formação de quadrilha, estelionato, inserção de dados falsos em sistema de informações, corrupção passiva, lavagem de dinheiro, comunicação falsa de crime e exercício ilegal de profissão. Dois servidores públicos repassaram suas senhas do Sistema Nacional de Emprego (Sine) ao grupo para possibilitar fraude no sistema de seguro-desemprego. Utilizando dados de trabalhadores empregados, eles forjavam a necessidade de concessão do benefício e ficavam com o dinheiro.
Com um programa de informática “robô”, o técnico em contabilidade Francinaldo da Silva Barbosa, 
acusado de liderar o grupo, fez cem milhões de acessos ao sistema de inserção e alteração de requerimentos de seguro-desemprego, fraudando bancos de dados da administração pública, especialmente os do Ministério do Trabalho e Emprego. A quadrilha aliciava funcionários de grandes empresas para que, em troca de uma comissão, oferecessem a colegas de trabalho adiantamentos fraudulentos do seguro-desemprego. Os aliciados conseguiam toda a documentação e faziam saques ilícitos.

Leiam a íntegra da denúncia do procurador da República Felipe Giardini aqui.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *