O prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, anunciou na tarde desta segunda-feira, 8, que os recursos para a revitalização e requalificação do complexo do Mercado São Brás, na ordem de R$50 milhões, já estão garantidos pela Caixa Econômica Federal. Durante visita…

A orla da cidade concentrou o maior público de todos os tempos. Cerca de dez mil pessoas esperaram, ansiosas, o espetáculo emocionante e grandioso que incluiu barcos grandes e balsas, mas também canoeiros, as tradicionais e belíssimas barquinhas, confeccionadas com…

Área contígua ao centro histórico de Belém do Pará, Zona Especial do Patrimônio Histórico declarada por lei, o bairro do Reduto, cenário industrial da belle Époque, da Doca do Reduto no início do século XX, com suas canoas coloridas repletas…

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça fixou, sob o rito dos recursos repetitivos, a tese de que o servidor federal inativo, independentemente de prévio requerimento administrativo, tem direito à conversão em dinheiro da licença-prêmio não usufruída durante a…

MPF acusa bando que fraudou Previdência

Treze integrantes de uma organização que desviou R$ 14 milhões da Previdência Social no Pará, a partir de Redenção e São Félix do Xingu, em 2013 e 2014, foram denunciados à Justiça pelo Ministério Público Federal, por formação de quadrilha, estelionato, inserção de dados falsos em sistema de informações, corrupção passiva, lavagem de dinheiro, comunicação falsa de crime e exercício ilegal de profissão. Dois servidores públicos repassaram suas senhas do Sistema Nacional de Emprego (Sine) ao grupo para possibilitar fraude no sistema de seguro-desemprego. Utilizando dados de trabalhadores empregados, eles forjavam a necessidade de concessão do benefício e ficavam com o dinheiro.
Com um programa de informática “robô”, o técnico em contabilidade Francinaldo da Silva Barbosa, 
acusado de liderar o grupo, fez cem milhões de acessos ao sistema de inserção e alteração de requerimentos de seguro-desemprego, fraudando bancos de dados da administração pública, especialmente os do Ministério do Trabalho e Emprego. A quadrilha aliciava funcionários de grandes empresas para que, em troca de uma comissão, oferecessem a colegas de trabalho adiantamentos fraudulentos do seguro-desemprego. Os aliciados conseguiam toda a documentação e faziam saques ilícitos.

Leiam a íntegra da denúncia do procurador da República Felipe Giardini aqui.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *