Os dirigentes do Sindicato e da Associação dos Servidores da Assembleia Legislativa festejaram o resultado da reunião de hoje com o presidente da Alepa, deputado Chicão, que também convidou para o encontro o Chefe de Gabinete da Presidência, Reginaldo Marques…

A Administração Superior do Ministério Público do Pará está empenhada em fortalecer a atuação dos promotores de justiça no arquipélago do Marajó, onde a situação de extrema pobreza, agravada pela pandemia, perpetua crimes gravíssimos como os abusos e exploração sexual…

“A Prefeitura de Belém, por meio da Comissão de Defesa Civil de Belém, informa que realizou vistoria técnica no bloco B do imóvel localizado na avenida Presidente Vargas, 762, no dia 11 de fevereiro, às 9h, em conjunto com representantes…

DEM e PSL ainda nem consumaram a fusão, prevista para outubro deste ano, mas a briga já é de foice. O ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre e o ex-prefeito de Salvador ACM Neto duelam nos bastidores pelo comando do novo…

MPE-PA deve fazer justiça ao promotor

Em qualquer lugar do mundo, quem brilha é alvo de
homenagens. Mas o promotor de justiça Edson Cardoso de Souza, o primeiro do
Pará a conseguir a condenação de mandantes de assassinatos por encomenda, vitorioso
em vários casos de repercussão internacional, como o da chacina dos irmãos José
e Paulo Canuto, sindicalistas de Rio Maria, e tentativa de homicídio contra Orlando
Canuto, em 1990, filhos do presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de
Rio Maria, João Canuto, morto a mando de fazendeiros em 1985; do sindicalista
Expedito Ribeiro de Souza, também do STR de Rio Maria, e o do advogado e deputado
constituinte João Batista, estava visivelmente só no julgamento de Vitalmiro
Bastos de Moura, o
Bida, no Tribunal
do Júri que condenou o fazendeiro como um dos mandantes da morte da missionária
norte-americana Dorothy Stang. 

Não havia promotor assistente nem sequer um
assessor ou até mesmo um estagiário para auxiliar seu trabalho, que também não
foi divulgado pelo MPE-PA. Enquanto todos os jornais, emissoras de rádio e TV e
sites locais, nacionais e internacionais tratavam do julgamento, a assessoria
de comunicação do MPE-PA cobriu, com fotos, eventos banais, mas não dedicou uma
só linha ao julgamento, assim como não fez a cobertura nem auxiliou os muitos jornalistas
que queriam entrevistar o promotor. Eu mesma me prestei a conduzi-lo, nos
intervalos, para que explicasse à imprensa o andamento e a possibilidade de
recurso em caso de condenação.
Chamava a atenção de todos no Salão do Júri o
abandono do promotor Edson Augusto de Souza. Enquanto a banca de advogados do
réu tinha vários assistentes e secretárias, ele precisava procurar sozinho as
folhas de dezenas de volumes do processo. Por vezes demorava, o que prejudicou o
seu desempenho.
O procurador da República Felício Pontes Jr., vendo
que o promotor falava durante horas na tribuna e só podia estar com sede,
humildemente levantou de sua cadeira e foi buscar um copo de água.
O promotor de justiça Edson Cardoso de Souza atuou
na região do Bico do Papagaio, São Félix do Xingu, Ourilândia, Tucumã, Redenção
e Xinguara, antes de chegar a Belém, e sempre se distinguiu pela sua coragem e
competência. Há oito anos se dedica ao caso da Irmã Dorothy Stang, tendo
conseguido a condenação dos executores e de um mandante, além da pronúncia do
segundo co-autor intelectual, Regivaldo Pereira Galvão, o Taradão, sem deixar de cuidar das centenas de processos
rotineiramente sob sua responsabilidade.
Num País e principalmente num Estado muitas vezes
denunciado aos tribunais internacionais pela impunidade dos crimes, onde até
hoje persistem listas de pessoas marcadas para morrer, a atuação do promotor
Edson Cardoso de Souza, de relevante alcance social, elevando o nome do Brasil
e do Pará perante o mundo inteiro, deveria ter o justo reconhecimento. O
promotor de justiça
Francisco
Cembranelli,
de São Paulo, que atuou no caso Nardoni, por exemplo, cujo
impacto é infinitamente menor, só por isso foi imediatamente promovido a
procurador de justiça. Entretanto, apesar do merecimento e de até por antiguidade
já ter direito ao posto, o nosso herói parauara ainda não foi lembrado para a
promoção a procurador de justiça.

Com a palavra, o Procurador Geral de Justiça,
Marcos Antonio Ferreira das Neves e o presidente da Associação do Ministério
Público do Estado do Pará, promotor de Justiça Samir Dahás.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *