Área contígua ao centro histórico de Belém do Pará, Zona Especial do Patrimônio Histórico declarada por lei, o bairro do Reduto, cenário industrial da belle Époque, da Doca do Reduto no início do século XX, com suas canoas coloridas repletas…

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça fixou, sob o rito dos recursos repetitivos, a tese de que o servidor federal inativo, independentemente de prévio requerimento administrativo, tem direito à conversão em dinheiro da licença-prêmio não usufruída durante a…

O prefeito Edmilson Rodrigues cumpriu agenda institucional em Brasília, ao lado do secretário municipal de Gestão e Planejamento, Cláudio Puty. No Ministério da Economia, trataram das obras de saneamento básico no Canal do Mata Fome, no bairro do Tapanã, onde…

O leite materno contém propriedades importantes para o crescimento e desenvolvimento do bebê, fortalecendo a sua imunidade contra diversas doenças. Em 1992 a Aliança Mundial de Ação Pró-Amamentação criou a Semana Mundial de Aleitamento Materno, de 1 a 7 de…

MPE denuncia empresários em Santarém

Os promotores de justiça Túlio Chaves Novaes e Renilda Guimarães denunciaram em ação criminal os empresários Djanira Lúcia dos Santos Braga e Francisco de Assis do Nascimento Costa, por oferta irregular, na região de Santarém, de cursos de graduação na forma de Extensão Universitária, usando nomes das faculdades Favix, Sespa, Universidade Castelo Branco e Facibra como sendo do “Grupo Continental Educacional”, para enganar os alunos. 

A Faculdade de Ciências Humanas de Vitória (Favix) é mantida pelo instituto Nelson Abel de Almeida, com sede em Vitória (ES). A Faculdade de Ciências Humanas e da Saúde (Sespa) é mantida pela Sociedade de Ensino Superior de Patos de Minas (MG), onde é sediada. E a Facibra é mantida pelo Centro Educacional de Wenceslau Braz, no Paraná. nenhuma tem curso de extensão universitária no Pará. 

Os cursos eram oferecidos nas vilas do Socorro, Ajamuri, Piraquara, Lago Grande do Curuai e em Santarém e ficou claro o golpe aplicado nos alunos, que, ao pagar mensalidades, recebiam recibos com o nome da Favix, Sespa ou Universidade Castelo Branco, mas o carimbo e a assinatura eram em nome do empresário Francisco de Assis Nascimento. Denúncias registradas no Procon de Santarém indicam que em todas as situações consta o nome do empresário como pessoa jurídica responsável. Ao tomarem conhecimento de que os cursos não são autorizados pelo MEC, os estudantes procuraram a coordenação e foram informados de que Djanira Lúcia dos Santos Braga seria a coordenadora da Facibra, e que os diplomas seriam validados por esta faculdade, como “medida alternativa”, pois a Favix não mais pertencia ao grupo Continental, manobra para que os alunos não buscassem reembolso ou denunciassem. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *