Evellyn Vitória Souza Freitas nasceu no chão do banheiro do Hospital Municipal de Portel, município do arquipélago do Marajó (PA), no dia 28 de julho de 2021, por volta das 8h da manhã, prematura de 28 semanas e dois dias, pesando 1Kg e 39…

Vanete Oliveira, a jovem marajoara de 28 anos e mãe de cinco filhos que sofre há catorze anos com um tumor enorme em um dos olhos, que lhe cobre quase a metade da face, já está internada no Hospital Ophir…

Equipes da Divisão de Homicídios e da Delegacia de Repressão de Furtos e Roubos estavam monitorando há um mês o grupo criminoso que planejava roubar em torno de R$ 1 milhão no caixa eletrônico do Banpará localizado dentro do Hospital…

Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

Monumento à Cabanagem Patrimônio Cultural

O projeto de lei nº 178/2012, que declara o Monumento à Cabanagem integrante do Patrimônio Cultural Material do Estado do Pará, foi aprovado, há pouco pela Comissão de Educação e Cultura,à unanimidade. A iniciativa é do presidente da Alepa, deputado Márcio Miranda(DEM), e já recebeu parecer favorável também da Comissão de Constituição e Justiça, presidida pelo deputado Raimundo Santos(PEN). Como a relatora, Nilma Lima(PDDB), já está sem mandato, o deputado Renato Ogawa(PR) apresentou voto em separado, enfatizando a alta relevância de legar às gerações futuras a memória da Cabanagem, a maior revolução popular brasileira, marco da história da Amazônia, do Pará e do Brasil, ainda hoje um desafio instigante para ser compreendida em sua real dimensão, que eclodiu em 7 de janeiro de 1835 e este ano completa 180 anos. 

Estimular o conhecimento da própria história é fundamental em qualquer sociedade. A consciência e o fortalecimento da cidadania não podem ser alcançados sem o resgate do passado histórico. Durante cinco anos, de 1835 a 1840, a Província do Grão-Pará (que compreendia o Amazonas e o Pará) teve um governo autônomo que declarou sua independência do resto do País. 

Um diferencial da Cabanagem é que suas disputas políticas não se restringiram às desavenças entre elites. O movimento contou com grupos indígenas, negros escravos e libertos, mamelucos, cafuzos, mulatos; membros das tropas, do clero e das lojas maçônicas; latifundiários, proprietários brancos e escravistas e intelectuais. A luta armada se estendeu das bacias do Capim, Moju e Acará a Belém, à zona bragantina, ao litoral atlântico, ao arquipélago do Marajó, até os confins do rio Amazonas. Avançou pelos rios amazônicos e pelo mar Atlântico, atingindo os quatro cantos de uma ampla região. Chegou até as fronteiras do Brasil central e ainda se aproximou do litoral norte e nordeste. Gerou distúrbios internacionais na América caribenha, intensificando um importante intercâmbio de ideias e de pessoas. 

A adesão e integração dos escravos é fato notório no estudo da Cabanagem. Segundo Vicente Salles, o negro começou a adotar formas mais efetivas de luta a partir do momento em que identificou o conceito de liberdade como decorrência da luta política. Desde a Cabanagem o regime escravagista se desorganizou e houve a suspensão definitiva da importação em larga escala de africanos. Além disso, os mocambos se multiplicaram em quase todo o Grão-Pará. E em 1888 – antes da Lei Áurea – foi criada a Liga Redentora, que propunha que a abolição da escravidão em Belém fosse marcada para o dia 13 de maio. Tal pioneirismo contribuiu indiscutivelmente para a evolução da sociedade brasileira. 

Os cabanos, ao longo do movimento, criaram um sentimento comum de identidade entre povos de etnias e culturas diferentes, que extrapolava a luta armada. Suas lideranças vislumbravam outras perspectivas políticas e sociais, sentimento que fez surgir no interior da Amazônia uma unidade entre a própria diversidade. Indígenas, negros de origem africana e mestiços perceberam que suas lutas e problemas eram os mesmos.
O maior historiador da Cabanagem, Domingos Antônio Raiol, descreve de forma magistral a Revolta dos Cabanos em seu livro “Motins Políticos”, publicado em cinco tomos, entre 1865 e 1890. Outra obra importante sobre o período é a peça teatral escrita por Nazareno Tourinho, talvez o mais antigo dramaturgo do País ainda em atividade, que oferece ao público um roteiro esquemático e didático da Cabanagem. 

“Declarar o Monumento à Cabanagem integrante do Patrimônio Cultural Material do Estado do Pará é manter viva a própria História do Pará”, salientou o deputado Renato Ogawa, acompanhado em seu voto pelos deputados Miro Sanova, Thiago Araújo, Jaques Neves e Tião Miranda. O projeto segue agora ao plenário.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *