O magistrado, professor, escritor e jornalista Luiz Ernane Ferreira Ribeiro Malato, membro da Academia Paraense de Letras e da Academia Paraense de Jornalismo, tomou posse no cargo honorário de Cônsul da República Tcheca, o primeiro no Pará. A cerimônia foi…

Doutora em Ecologia pela University of Stirling, Escócia (1996), pesquisadora titular do Museu Paraense Emílio Goeldi, do qual foi diretora-geral (2005-2009), ex-presidente do Conselho Curador da Empresa Brasil de Comunicação-EBC e presidente do Conselho de Administração do Instituto de Desenvolvimento…

O Brasil tem 1,3 milhão de advogad@s e segundo a OAB deve ultrapassar a marca de 2 milhões em 2023. Além disso, o país tem a maior proporção de advogad@s por habitante, um (a) para cada 170 habitantes. Esse crescimento…

O prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, vai inaugurar na terça-feira, 6, a partir das 10h, o Teatro Popular Nazareno Tourinho, no bairro da Cidade Velha, em um prédio que estava abandonado há anos, conhecido como “Casa Amarela”, que estava sem…

Menire: A mulher Kayapó e seu trabalho

“Somos fortes, trabalhadeiras e belas”. É assim que uma “menire” – mulher na língua dos Kayapó – refere-se ao próprio gênero, como registra o catálogo “Menire Bê Kayapó Djàpêj” (A mulher Kayapó e seu trabalho), que reúne rico acervo fotográfico distribuído em painéis temáticos e didáticos e composto também de elementos da natureza, como sementes, ervas, remédios, vistoso artesanato e outros itens que fazem parte do universo cultural das integrantes desse povo originário que vive em nove aldeias no sudoeste do Pará, em plena floresta amazônica.

Principais responsáveis pela manutenção, fortalecimento e transmissão dos conhecimentos aos filhos e netos, as mulheres da etnia Kayapó são os pilares de seu povo. Além de plantar e manter as roças, elas coletam os produtos da floresta, cortam a lenha, preparam os alimentos e são responsáveis por um trabalho artesanal único. Os guerreiros vão à caça e defendem as terras contra os invasores, elas cuidam das hortas, dos filhos, cultivam os mitos originais e contam histórias.

Outra marca registrada das menire são os desenhos finíssimos feitos com tintura de jenipapo, grafismos milimetricamente traçados que estampam tecidos e corpos. São elas que tecem os próprios cestos onde carregam as castanhas e o cumaru, e, com habilidade e senso estético apurados, criam e produzem brincos, pulseiras e colares usando miçangas coloridas.

Todo esse trabalho integra a exposição “Menire: A mulher Kayapó e seu trabalho”, que desde 2019 estava em Brasília e agora pode ser apreciada em Belém, no Espaço Cultural São José Liberto. Realizada pelo Instituto Kabu, a mostra tem patrocínio do Governo do Pará, através do Instituto de Gemas e Joias da Amazônia/Igama e apoio institucional da Federação dos Povos Indígenas do Pará e Origens Brasil.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *