Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Em iniciativa inédita, o Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro celebra os percursos individuais e coletivos que construíram as políticas de salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil, lançando a obra “Em Defesa do Patrimônio Cultural”, organizado por…

Neste sábado, 16, postos de saúde ficarão abertos para a vacinação com foco em menores de 15 anos. Em Belém, 11 unidades vão funcionar das 8h às 14h. A campanha da Multivacinação iniciou no dia 04 de outubro e segue…

De autoria do carnavalesco e professor Paulo Anete, o enredo para o Carnaval 2022 da Escola de Samba Grêmio Recreativo Carnavalesco e Cultural Os Colibris, de Belém do Pará, é “Zélia Amada/ Zélia de Deus/ Zélia das Artes/ Herdeira de…

Manuel Ayres, um parauara brilhante

A propósito do post Troca de comando na Ceasa e Hemopa, recebi do amigo Ademar Ayres do Amaral o seguinte comentário na caixinha do blog:

“Gostaria de acrescentar um pequeno comentário sobre a fundação do Hemopa. O criador do Hemopa no Pará foi meu tio Manuel Ayres, na época Secretário de Saúde no governo Aloysio Chaves. A Instituição foi criada com o nome de Fundação de Hemoterapia do Pará – FUNDEPA, depois mudado para HEMOPA em outra administração. Para primeiro presidente da FUNDEPA, por indicação da Dra. Regina Glória, o Dr. Manuel Ayres foi buscar em São Paulo o competente especialista Dr. João Carlos Saraiva, marido da atual presidente, que organizou a instituição nos moldes como ela é hoje. O primeiro endereço da FUNDEPA (HEMOPA) foi um imóvel alugado na Generalíssimo Deodoro, quase em frente à Beneficiente Portuguesa. Fica o registro. 
Ademar Ayres do Amaral”

NOTA DO BLOG: Tem toda razão, meu caro Ademar. O Doutor Manuel Ayres, médico pediatra, geneticista e sanitarista, além de Estatístico, autor de diversas obras técnicas, como Aplicações Estatísticas em Basic, BioEstat, Pequeno Dicionário de Bioestatística, Elementos de Bioestatística – A selva do açaizeiro, além de livros como o escrito em conjunto com sua falecida esposa Iza Ayres, intitulado “Manuel e Ela: Crônicas e Memórias dos Ayres”, é sem dúvida uma personalidade admirável e um homem à frente do seu tempo, que já contribuiu e continua contribuindo grandemente para o Pará, o Brasil e o mundo. Não bastasse seu próprio legado, que é muito volumoso, impossível não mencionar o de seu saudoso filho, o biólogo, especialista em primatas, com atuação marcante no Museu Paraense Emílio Goeldi, Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia – INPA, Wildlife Conservation Society e Ibama, um dos mais respeitados e premiados cientistas do Brasil na área de conservação da biodiversidade e que concebeu Mamirauá, a primeira reserva de desenvolvimento sustentável brasileira, entre outros feitos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *