Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Cinemas vão adaptar espaço a cadeirantes

A defensora pública Felícia Fiúza, do Núcleo de Defesa dos Direitos Humanos da Defensoria Pública do Pará, expediu recomendação à rede Cinépolis para que trate de adaptar as salas de exibição às pessoas com deficiência.
A gerência da rede em Belém solicitou prazo para efetivar as reformas estruturais que garantam a acessibilidade nesses espaços.
As vagas para cadeirantes têm que ser sinalizadas e ter barras de apoio, no percentual previsto em lei, que determina reserva de 20% do total de poltronas.  Felícia Fiúza realizou inspeção nos cinemas em fevereiro deste ano e constatou a falta de oferta de espaço apropriado aos cadeirantes. A pessoa com deficiência tem direito à cultura e ao entretenimento pela Constituição Federal, mas na prática a situação é cruel. Outro dia eu estava na última fila do cinema, já sentada, e vi uma senhora idosa, obesa e com notória dificuldade de locomoção, aparada em duas bengalas, subir sozinha, carregando ainda uma garrafinha de água, as escadas da sala de exibição, até mais do que a metade das fileiras. Ninguém a ajudou. Em qualquer país civilizado a empresa teria alguém para auxiliá-la, até por medo de pesada multa caso ela caísse e se machucasse. De frisar também a indiferença das pessoas saudáveis, incapazes de ajudar quem precisa.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *