A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Cinemas vão adaptar espaço a cadeirantes

A defensora pública Felícia Fiúza, do Núcleo de Defesa dos Direitos Humanos da Defensoria Pública do Pará, expediu recomendação à rede Cinépolis para que trate de adaptar as salas de exibição às pessoas com deficiência.
A gerência da rede em Belém solicitou prazo para efetivar as reformas estruturais que garantam a acessibilidade nesses espaços.
As vagas para cadeirantes têm que ser sinalizadas e ter barras de apoio, no percentual previsto em lei, que determina reserva de 20% do total de poltronas.  Felícia Fiúza realizou inspeção nos cinemas em fevereiro deste ano e constatou a falta de oferta de espaço apropriado aos cadeirantes. A pessoa com deficiência tem direito à cultura e ao entretenimento pela Constituição Federal, mas na prática a situação é cruel. Outro dia eu estava na última fila do cinema, já sentada, e vi uma senhora idosa, obesa e com notória dificuldade de locomoção, aparada em duas bengalas, subir sozinha, carregando ainda uma garrafinha de água, as escadas da sala de exibição, até mais do que a metade das fileiras. Ninguém a ajudou. Em qualquer país civilizado a empresa teria alguém para auxiliá-la, até por medo de pesada multa caso ela caísse e se machucasse. De frisar também a indiferença das pessoas saudáveis, incapazes de ajudar quem precisa.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *