0

Começa hoje e vai até o fim deste mês um mutirão do CNJ e TJE-PA que pretende acelerar processos de crimes relacionados a conflitos fundiários no Pará. As Varas penais das comarcas de Marabá, Parauapebas, Rio Maria e Xinguara – palco histórico de disputas sangrentas pela terra entre fazendeiros, sem-terras e grileiros – foram escolhidas para o início dos trabalhos. Lá, 22 processos criminais tramitam, alguns há mais de 20 anos. Há casos em que réu nem testemunhas foram encontrados. O mutirão vai levantar os motivos da demora no andamento, fazer audiências e promover julgamentos.

Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, membro da Academia Paraense de Jornalismo, da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Mudanças na mineração

Anterior

Pará, terra do paradoxo

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *