A Administração Superior do Ministério Público do Pará está empenhada em fortalecer a atuação dos promotores de justiça no arquipélago do Marajó, onde a situação de extrema pobreza, agravada pela pandemia, perpetua crimes gravíssimos como os abusos e exploração sexual…

“A Prefeitura de Belém, por meio da Comissão de Defesa Civil de Belém, informa que realizou vistoria técnica no bloco B do imóvel localizado na avenida Presidente Vargas, 762, no dia 11 de fevereiro, às 9h, em conjunto com representantes…

DEM e PSL ainda nem consumaram a fusão, prevista para outubro deste ano, mas a briga já é de foice. O ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre e o ex-prefeito de Salvador ACM Neto duelam nos bastidores pelo comando do novo…

Um pastor de igreja evangélica localizada no município de Breves, no arquipélago do Marajó, foi condenado a 39 anos de prisão por estupro de vulnerável, exploração sexual e por possuir e armazenar pornografia infantil, com o agravante de que ele…

Julgamento no Araguaia

O resultado do julgamento dos pedidos de indenização e anistia política de 150 trabalhadores mortos ou torturados durante a guerrilha do Araguaia será anunciado, oficialmente, no próximo dia 18, em São Domingos do Araguaia. O julgamento ocorrerá um dia antes, em Brasília, na Comissão de Anistia do Ministério da Justiça. No dia 19, a Caravana da Anistia chega ao município para contar parte da história do Brasil pelos sobreviventes e seus familiares. A programação será acompanhada por observadores e jornalistas internacionais. O Brasil é processado pela OEA pelos crimes de prisão, tortura e morte no episódio da guerrilha do Araguaia, e a expectativa é de que o gesto do governo contribua com os argumento de defesa do País.

Trata-se do primeiro julgamento de trabalhadores retirados das terras que foram palco de operações militares, nos estados de Goiás (hoje norte do Tocantins, área denominada Bico do Papagaio), Pará e Maranhão. Muitos foram presos e torturados, considerados amigos e protetores dos guerrilheiros, e outros usados como guias pelos militares. São 150 vítimas, em Piçarra (15), Marabá (20), Palestina do Pará (60), São João do Araguaia (5) e São Geraldo do Araguaia (50).

Os que já morreram e não deixaram dependentes – mulher ou filhos menores -, não farão jus ao reparo econômico e a família, geralmente o filho maior de idade, receberá a declaração de anistiado político post mortem. As indenizações variam entre prestação mensal permanente e continuada – em que o Estado brasileiro paga por perda de vínculo laboral ou da terra -; e nos casos em que não há como comprovar a perda a indenização vai de 30 salários mínimos até R$ 100 mil por ano ou fração de ano.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *