Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Intolerância vitima afro-religiosos

Seis pais de santo já foram assassinados só neste ano, na Região Metropolitana de Belém. Invasões de terreiros, roubos constantes e outras violências ameaçam acabar com as práticas tradicionais de matriz africana. Preocupadas com a violência contra afro-religiosos, autoridades tradicionais de terreiros, Cedenpa, OAB, CEDECA e SDDH protocolaram ofício ao Conselho de Segurança Pública do Estado do Pará, denunciando o clima de insegurança. A questão foi a pauta principal da reunião do CONSEP-PA, ontem. 

O assassinato de Baba Odé Sigbonile (Pai Mário Cavalcante, no Icuí-Guajará), no último dia 07, causou grande abalo na população por conta das recorrências e os requintes de crueldade na execução do crime. Foram 12 facadas com faca do tipo peixeira com profundidade de 25 a 30 centímetros. Também foram retiradas partes de suas mãos e ainda uma parte de sua pele do braço. O terreiro já havia sido invadido por assaltantes que roubaram todos que estavam em uma celebração em cerimônia religiosa.
No velório (dia 08/10), no terreiro dele, houve ameaças de pessoas em moto (possíveis acusados) que não escondem que querem que o terreiro saia do local. As pessoas acionaram a PM, que lhes deu proteção. 

As lideranças e Ongs pedem a imediata inclusão de matéria referente ao respeito às tradições de matriz africana nos cursos de formação de policiais civis e militares, a fim de que o sistema de segurança pública saiba como lidar com povos tradicionais, e um grupo de trabalho no CONSEP que mapeie as queixas de violência contra terreiros de comunidades tradicionais de matriz africana e também levante todos os casos, de modo a salvaguardar o patrimônio cultural afro-amazônico com o devido respeito às suas práticas.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *