0

“Maior importância que pedir relação de quem está recebendo como aspone é saber porque a Vale não paga o devido ao estado e a OAB permanece caladinha; o que representa 24 milhões anuais ou 63 milhões mensais ?

Concordo que o estado pode ser mais atencioso, porém discordo da OAB fazer prioridade de fatos menores quando existe uma perda muito maior que é a perda de arrecadação originada em quem tem os mais: Poder Financeiro, Poder Político, Poder de Barganha e Poder nas entranhas do próprio!

Será que se não houvesse um único aspone sobraria dinheiro para apagar todas as mazelas hoje existentes no estado?
Cara Fran, o doído é que só o que vocês denunciam com ênfase e que gera mídia é que aparecem os xerifes para agir imaginando o minuto de fama!

Preciosidade seria levantarem as partes carnudas e redondas, situadas na parte inferior do dorso e irem em busca de tema próprio e não ficarem tipo jogador cansado, acomodado na banheira querendo arranjar louros pelo esforço dos outros!

Espero que seja pelo menos isso e não atrás de moeda de troca, coisa que não esta fora do universo de probabilidades dado ao meio profissional dos que supostamente foram beneficiados e de quem os questiona ser o mesmo!

Um belo trabalho dos repórteres e um malogro de inércia imiscuído no antes tarde do que nunca da OAB e ainda querendo deificar seu mais destacado membro!

OAB, vá atrás de quem faz as operações cirúrgicas no nosso estado retirando a parte saudável e deixando o cancro ainda recitando epifania, tomarás teína de sofá, aí sentirás como teu poder é inexistente quando se trata do bem para o todo!”

(De leitor anônimo do blog, na caixa de comentários do post  OAB aciona CNJ

Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, membro da Academia Paraense de Jornalismo, da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

De meninos e meninas

Anterior

Tucuruígate

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *