Brega no Pará é coisa séria. Tem Brega Pop, Brega Calypso, Brega Marcante, Brega Saudade, Tecnobrega, Melody, Tecnomelody … Verdadeiro hino (música oficial dos 400 anos de Belém), não há quem desconheça o clássico Ao Por do Sol, eternizado na…

Uma reunião no Ministério Público do Estado do Pará colocou em pauta a situação caótica da Unidade de Conservação Estadual Área de Proteção Ambiental da Ilha do Combu, onde proliferam construções e empreendimentos comerciais irregulares, transporte fluvial desordenado, festas e…

O juiz federal Henrique Jorge Dantas da Cruz condenou a União e o Estado do Pará à obrigação de fornecer Cerliponase Alfa (Brineura®) a uma criancinha de quatro anos durante todo o período de tratamento, sem interrupção. O remédio deverá…

A Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária da Assembleia Legislativa aprovou à unanimidade, hoje (15), as contas do governador Helder Barbalho relativas ao exercício de 2020. Conforme o relatório do presidente da CFFO, deputado Igor Normando (MDB), a receita bruta…

Grupo Kuatá de Carimbó lança “De cabôco para cabôco”

O projeto do Mestre Hermes e seu grupo Kuatá de Carimbó, chega ao público no próximo dia 30 pelas principais plataformas digitais. Um dos trabalhos contemplados pela Lei Aldir Blanc de Emergência Cultural do Pará, a qualidade das nove faixas tem produção de Boro/Alter do Som, gravação e mixagem de Júlio Tapará e masterização de Gustavo Lenza. 

O compasso acelerado da música em relação ao “carimbó chamegado” da região – uma performance belíssima dos percussionistas quando estão no palco -, a voz potente e marcante do líder Hermes Caldeira, e as letras sobre cotidiano da vida cabocla dos seus próprios integrantes são a marca do Kuatá. 

“Nosso álbum vem pra valorizar as vivências da gente da terra e contar nossas histórias reais”, diz Hermes Caldeira. “Minhas letras também têm uma herança do querido Magnólio, um arte-educador com quem tive a honra de trabalhar no Projeto Saúde e Alegria, e que me ensinou a fazer educação ambiental por meio da música. Isso está muito presente em todo o meu trabalho, quando falo do cupuaçu, da palheira, dos peixes da nossa região, é também uma forma de passar informação”.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *