Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Em 17 de dezembro de 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas designou o 25 de novembro Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher. Passados 22 anos, os dados do 14° Anuário Brasileiro de Segurança Pública são aterrorizantes: por…

Governador, socorra o Marajó!

FOTOS: HENRIQUETA CAVALCANTE
É gravíssima a situação em vários municípios do arquipélago do Marajó. Anajás não tem juiz, promotor nem delegado. Em Breves, uma criancinha de dois anos foi estuprada e o juiz não viu problema em manter o agressor na mesma casa junto com a vítima. Em Bagre, há uma ação civil pública transitada em julgado obrigando o prefeito a fornecer água potável e outra para fazer valer a lei que proíbe o nepotismo.

Aliás, em Bagre, há um mês, o bispo do Marajó, Dom José Azcona, em plena audiência pública, disse ao major Cintra, que comanda a PM local, que há a convicção de todo o povo no sentido de que os policiais militares recebem dinheiro dos narcotraficantes que operam na região. Toda a multidão que lotava o ambiente gritou “_É verdade!”. O major calou. 

Na cerimônia da Crisma, uma semana depois, Dom Azcona – que é um guerreiro contra as mazelas que afligem a população marajoara – disse aos adolescentes que eles estão sendo dizimados pela PM e pelo narcotráfico, que têm que se defender porque estão sozinhos.

Não é possível que o secretário de Segurança se cale e permaneça inerte diante de tamanha tragédia a se abater sobre o povo marajoara. É preciso que o governador Simão Jatene assuma pessoalmente as rédeas das ações e urgentemente faça um remanejamento do destacamento da PM, instale várias unidades do Pro-Paz e leve a presença do Estado para essa gente abandonada que nem se sente cidadã.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *