0
O Ministério Público Federal em Rondônia pediu o afastamento de nove servidores da Superintendência Federal de Agricultura no Estado e a paralisação das atividades de empresas investigadas na Operação Abate, da Polícia Federal. Sete desses servidores foram detidos anteontem pela PF, entre eles o superintendente Orimar Martins Silva, suspeitos de favorecer empresas de laticínios, frigoríficos e curtume, mediante propina. O pedido atinge seis unidades de empresas investigadas desde o ano passado, entre elas gigantes do setor frigorífico, como JBS-Friboi e Margen.
Segundo o MPF, o afastamento dos fiscais é vital para garantir a tranquila coleta de provas, porque fiscais que contrariaram interesses do suposto grupo criminoso são alvo de ameaças e perseguições. Sustenta, ainda, que a situação compromete a qualidade dos produtos comercializados, e que parte dos produtos era comercializada na região sul e sudeste do País, mas que a rota da carne ainda é investigada.
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, presidente da Academia Paraense de Jornalismo, membro da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Aperto ao MP

Anterior

3º mandato é golpe

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *