0
No próximo dia 25, a Alepa realiza sessão especial destinada a discutir a renovação – ou não – do diferimento do ICMS das mineradoras, que foi concedido há 15 anos através de lei  específica cujo prazo expira em 15 de julho. Agora, a concessão de benefícios fiscais no Estado do Pará está condicionada a três novos critérios (inovação, sustentabilidade e verticalização). No caso da Vale, a dívida de R$1,8 bilhão tem que ser paga e cumprido o compromisso de verticalizar a produção, inclusive a implantação da Alpa, a siderúrgica em Marabá. A iniciativa do debate é da Frente Parlamentar de Desenvolvimento Sustentável da Mineração, presidida pelo deputado Raimundo Santos. 
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, membro da Academia Paraense de Jornalismo, da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Alepa tem estudo de viabilidade da ferrovia

Anterior

Novo conceito de incentivo fiscal no Pará

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *