0
O aeroporto de Val-de-Cães estava infernal, de meia noite até agora, às duas da madrugada: calorento, filas imensas, quatro totens de check in fácil (!) da TAM e nenhum funcionando. Para completar, só dois atendentes no balcão da companhia. Uma pessoa desmaiou no andar superior. Felizmente, havia um médico de plantão.
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, membro da Academia Paraense de Jornalismo, da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Ecos do Carnaval

Anterior

Refazendo as contas

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *