A igreja de São Francisco de Assis em Belém do Pará, carinhosamente chamada pelos fiéis de "Capuchinhos", completará cem anos de sua inauguração em 02 de outubro de 2022. A abertura oficial das festividades será com um concerto na igreja…

O trânsito continua matando mais do que muitas guerras. A administradora Gina Barbosa Calzavara, coordenadora dos bosquinhos da Universidade Federal do Pará, fez uma emocionante homenagem à memória do jovem Jean Serique Lameira, esportista do ciclismo e que também usava…

O Laboratório de Engenharia Biológica do Parque de Ciência e Tecnologia - PCT Guamá está estudando o sequenciamento genético do açaí, de modo a assegurar a rastreabilidade de ponta a ponta na cadeia produtiva e padrões de qualidade para os…

A Lei estadual nº 9.278/2021, que entrou em vigor em 30 de junho deste ano, instituindo a obrigação de que pessoas residentes em condomínios, conjuntos habitacionais e similares comuniquem à Polícia Civil, de forma imediata, qualquer tipo de agressão praticada…

Falta de coordenação

“O Brasil perde muito quando a eclusa não é construída simultaneamente com a hidrelétrica. É preciso que o setor elétrico defenda o uso múltiplo das águas.
O ponto crucial do conflito entre navegação e produção de energia é que o setor elétrico afirma que não pode arcar com os custos da construção de uma eclusa. É preciso que se crie uma instância governamental superior para resolver o impasse. Além disso, seria muito importante que o setor elétrico e o setor de irrigação participassem das nossas discussões.
Por enquanto, a discussão está sendo entre ANA e ANTAQ”. (José Machado, diretor-presidente da ANA). As Agências Nacionais de Águas e de Transportes Aquaviários formalizarão, em breve, acordo de cooperação técnica para fortalecer o setor hidroviário e a multimodalidade. “Se a navegação interior é menos poluente e mais econômica, ela precisa ser vista com prioridade pelo governo”, ressalta Machado. O deputado Nelson Marquezelli (PTB-SP), que preside a Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público, sintetizou: “É preciso aumentar a oferta de energia elétrica e, ao mesmo tempo, sedimentar o transporte hidroviário, com respeito ao meio ambiente.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *