0

Estudantes da Escola Estadual Marta da Conceição, na Ilha de Cotijuba, em Belém, fizeram bonito na exposição “A Magia do Boi-Bumbá”, do Projeto Integrado de Ensino em Ciências Humanas, realizada ontem (13). A ideia de mostrar a diversidade cultural em Cotijuba através de fotografias dos alunos, com a cultura popular do boi-bumbá, foi dos professores Cleber Lima e Belúcia Souza, ambos de História; Emir Rocha, de Geografia; e Ailton Palheta, de Filosofia e Sociologia. Também foram convidados Joseny Santos, professora de Artes; Aiana Oliveira, de Língua Portuguesa; Júlio César, de Física; e Batista Morais Santos, da Educação Especial. O projeto pedagógico incentivou reflexões acerca de memória e identidade como conceito de cultura popular, incluindo música, arte, literatura, moda e linguagem. 

“Os alunos realizaram uma mostra cultural fotográfica imprimindo seu olhar atrás das lentes. Mostrar a beleza cultural do seu próprio lugar de pertencimento foi fantástico”, comentou o professor Cleber Lima.

Os estudantes utilizaram câmeras dos próprios smartphones e até foi criada uma equipe de audiovisual, formada pelas alunas Beatriz Honorato, Pamela Oliveira e Jalauene Silva e Murilo Silva, para ajudar os que não tinham afinidade com os equipamentos. “É uma honra fazer parte dessa memória, e ser protagonista da nossa própria história e se ver nesse processo é inexplicável”, disse Beatriz Honorato.

A mostra tem cerca de quinhentas imagens e foi registrada em um trabalho anterior, no Cortejo Junino do Boi-Bumbá, em julho deste ano. A experiência envolveu duzentos estudantes, do 1° e 2° anos do Ensino Médio.

“Foi fundamental participar desse projeto e saber que os instrumentos de percussão um dia foram proibidos e nem citados pelo poder público, mostrando que a cultura popular sempre será um ato de resistência. Vida longa aos nossos grandes mestres da cultura popular, que esses saberes continuam firme e forte em nossa cultura”, contou a adolescente Ester Silva.

CNMP altera atribuições no controle policial

Anterior

Proibir o vidro é um começo, mas é preciso ir além

Próximo

Vocë pode gostar

Mais de Notícias

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *