A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Dois pesos e duas medidas em Santarém


A Prefeitura Municipal de Santarém, através da Secretaria Municipal de Infraestrutura, notificou, multou e determinou que esta lojinha de artesanato localizada na Avenida Tapajós, na orla da cidade, retire seu alpendre, coberto de palha, encimando a calçada em frente ao estabelecimento. Tudo estaria muito bem não fosse o argumento oficial, de “ocupação do espaço público para fins de sombreamento”. Ok, não é possível permitir que pessoas físicas ou jurídicas saiam por aí fazendo coberturas ao deus-dará nos espaços públicos. Mas o caso é que, bem ao lado da dita palhoça e por toda a extensão da mesmíssima Av. Tapajós, inúmeros estabelecimentos comerciais utilizam as calçadas como extensão de seus negócios, muitos deles obrigando pedestres e transeuntes a ir para o leito da rua, disputando perigosamente a via com os veículos, sob risco de morte, como se verifica nas fotos, e não são incomodado pelos fiscais da lei. A perguntinha básica que não quer calar é: por que essa ação da Seminfra não vale para todos? E cadê o Ministério Público que não vê isso? Quem primeiro denunciou o fato foi o agrônomo e fotógrafo santareno Nilson Vieira, em sua página no Facebook.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *