Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

Dois pesos e duas medidas em Santarém


A Prefeitura Municipal de Santarém, através da Secretaria Municipal de Infraestrutura, notificou, multou e determinou que esta lojinha de artesanato localizada na Avenida Tapajós, na orla da cidade, retire seu alpendre, coberto de palha, encimando a calçada em frente ao estabelecimento. Tudo estaria muito bem não fosse o argumento oficial, de “ocupação do espaço público para fins de sombreamento”. Ok, não é possível permitir que pessoas físicas ou jurídicas saiam por aí fazendo coberturas ao deus-dará nos espaços públicos. Mas o caso é que, bem ao lado da dita palhoça e por toda a extensão da mesmíssima Av. Tapajós, inúmeros estabelecimentos comerciais utilizam as calçadas como extensão de seus negócios, muitos deles obrigando pedestres e transeuntes a ir para o leito da rua, disputando perigosamente a via com os veículos, sob risco de morte, como se verifica nas fotos, e não são incomodado pelos fiscais da lei. A perguntinha básica que não quer calar é: por que essa ação da Seminfra não vale para todos? E cadê o Ministério Público que não vê isso? Quem primeiro denunciou o fato foi o agrônomo e fotógrafo santareno Nilson Vieira, em sua página no Facebook.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *