Trabalhadores da Companhia Docas do Pará estão em pé de guerra com a direção da estatal federal. Desde julho estão padecendo com contracheques zerados, aumento de jornada, remuneração encurtada, custo de vida encarecido e compromissos não honrados. Tudo isso graças…

A juíza Sara Augusta Pereira de Oliveira Medeiros, titular da 3ª Vara Cível, Infância e Juventude, Órfãos, Interditos e Ausentes de Castanhal (PA) exarou uma sentença emblemática, em plena Semana da Pessoa com Deficiência: obrigou a Escola Professor Antônio Leite…

Observando que é irracional o deslocamento de grande quantidade de pacientes em busca de tratamento, o Ministério Público do Pará ajuizou Ação Civil Pública contra o Estado do Pará e o Município de Marabá, para a criação de Unidade de…

O governador Helder Barbalho sanciona hoje à noite, em cerimônia no auditório do Centur, o 'Vale Gás' e o 'Água Pará', destinados a famílias de baixa renda ou em situação de vulnerabilidade social. Ambos serão gerenciados e fiscalizados pela Secretaria…

Crise na diretoria da Vale

Quatro diretores da Vale deixaram a companhia: o diretor-executivo de Gestão e Sustentabilidade, Demian Fiocca; o diretor de meio ambiente, Walter Cover; Olinta Cardoso, diretora de Comunicação; e Marco Dalpozzo, de Recursos Humanos.

Fiocca, que foi presidente do BNDES antes de assumir o cargo na Vale, pediu demissão. A companhia não confirma, mas executivos ligados à empresa dizem que ele se desentendeu com o presidente, Roger Agnelli, a quem era subordinado diretamente.
Olinta Cardoso vai trabalhar como consultora. O destino provável de Fiocca é o governo Lula. As atribuições dele serão distribuídas por outras diretorias executivas. Walter Cover será substituído por Fernando Augusto Quintela, que era seu subordinado.
A Vale não comentou a saída dos diretores. Fontes da empresa dizem que foi consequência de enxugamento da estrutura corporativa. Já executivos ligados à Vale apontam a deterioração do ambiente de trabalho por causa do estresse e da pressão provocados pelos cortes de custos e pela queda nos preços do minério de ferro, tanto que nem todos os que estão saindo seriam demitidos, pelo plano inicial de enxugamento.

No final do ano passado, Agnelli perdeu o diretor-executivo de planejamento, Gabriel Stoliar, o de não-ferrosos, José Lancaster; e o presidente da Inco, Murilo Ferreira. Stoliar e Lancaster se aposentaram e Ferreira pediu demissão. Saiu ainda da empresa recentemente o diretor de segurança e saúde do trabalho, Jorge Sotto.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *