Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Crianças em situação de risco

As crianças C.C.T.P., de 8 anos, e A.V.T.P., 10 anos, vivem sozinhas em casa, poucas vezes vão à escola e são violentamente espancadas porque comem biscoitos ou tomam iogurte. De acordo com a avó, que denunciou o caso, a mãe delas vai para rua e esquece de voltar, passa da hora das refeições e por isso o menino e a menina, com fome, comem o que encontram na geladeira, o que deixa a mãe possessa. A avó diz que o pai paga pensão para ambos e já está cansada de denunciar o crime ao conselho tutelar mas ninguém faz algo, então resolveu postar no Facebook um pedido de socorro com fotos das crianças espancadas, os rostos inchados e feridos, costas e braços muito machucados por surras. 

Vi o post e, para proteger as crianças, não compartilhei a postagem, mas encaminhei de pronto a denúncia à delegada de polícia Beatriz Silveira, titular da Delegacia de Repressão aos Crimes Tecnológicos, que imediatamente repassou o caso à delegada Simone Edoron, diretora de Atendimento aos Vulneráveis da Polícia Civil do Pará e, juntas, descobriram que o endereço das crianças é em Manaus(AM), e já entraram em contato com a polícia de lá, pedindo providências, que ficaram de me informar. 

Quem souber de situações de abuso contra crianças – ou qualquer outra pessoa, adulta, idosa, com deficiência física ou mental – deve imediatamente denunciar o fato. O silêncio também é crime, de conivência. Se a sociedade não fechar os olhos, é possível melhorar o mundo. 

É preciso romper com o pacto de silêncio que encobre as situações de abuso e exploração contra crianças e adolescentes. Não se pode ter medo de denunciar, é a única forma de ajudar esses meninos e meninas. 

Saiba a quem recorrer: Conselhos Tutelares, Varas da Infância e da Juventude Delegacias de Proteção à Criança e ao Adolescente, Delegacias da Mulher. Por meio do Disque 100, o usuário pode denunciar violências contra crianças e adolescentes, colher informações acerca do paradeiro de desaparecidos, tráfico de pessoas – independentemente da idade da vítima – e obter informações sobre os Conselhos Tutelares.
O serviço, da Presidência da República, funciona diariamente de 8h às 22h, inclusive nos finais de semana e feriados. As denúncias recebidas são analisadas e encaminhadas aos órgãos de defesa e responsabilização, conforme a competência, num prazo de 24h. A identidade do denunciante é mantida em absoluto sigilo. 
Pelo número de telefone 181, o cidadão paraense pode fazer denúncias em todo o Estado e fornecer informações sobre crimes e diversas outras formas de violência, com a garantia do sigilo dos dados registrados e o anonimato do denunciante.  A ligação é gratuita e o atendimento é realizado 24 horas por dia, sete dias por semana.

ATUALIZAÇÃO: O coordenador geral dos
Conselhos Tutelares de Manaus, Antonio Rozinaldo, já informou as providências
tomadas. Os conselheiros tutelares Damião e Juvêncio estiveram no local,
encontraram as crianças sozinhas, localizaram a mãe no trabalho e a chamaram
com urgência. Durante o atendimento, a equipe do delegado Rafael, da delegacia
especializada no atendimento da Criança e do Adolescente, chegou ao local e os
pais foram notificados para a aplicação de medidas de proteção.
 A informação chegou a mim
pela delegada Beatriz Silveira.
 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *