Hoje, dia 23 de julho de 2021 às 19h, o Instituto Histórico e Geográfico do Pará realizada a nona “Live em Memória” da programação alusiva aos 121 anos do Silogeu, desta vez em homenagem ao centenário de nascimento do Almirante…

A igreja de São Francisco de Assis em Belém do Pará, carinhosamente chamada pelos fiéis de "Capuchinhos", completará cem anos de sua inauguração em 02 de outubro de 2022. A abertura oficial das festividades será com um concerto na igreja…

O trânsito continua matando mais do que muitas guerras. A administradora Gina Barbosa Calzavara, coordenadora dos bosquinhos da Universidade Federal do Pará, fez uma emocionante homenagem à memória do jovem Jean Serique Lameira, esportista do ciclismo e que também usava…

O Laboratório de Engenharia Biológica do Parque de Ciência e Tecnologia - PCT Guamá está estudando o sequenciamento genético do açaí, de modo a assegurar a rastreabilidade de ponta a ponta na cadeia produtiva e padrões de qualidade para os…

Contrabando e descaminho a descoberto

Uma situação delicadíssima está passando ao largo dos holofotes da mídia: a Divisão de Repressão ao Contrabando e ao Descaminho da 2ª Região Fiscal da Receita Federal, cuja área de competência abrange os estados da Amazônia, não vem exercendo suas atividades. Isto porque seu chefe pediu – por orientação de seu sindicato e em razão de movimento paredista – exoneração do cargo em comissão há mais de trinta dias mas a portaria que torna público e efetiva o pedido ainda não foi publicada pela Superintendência da Receita Federal. 

Com isso, as operações de vigilância e repressão às atividades ilícitas, como o contrabando de drogas e armas, por exemplo, estão impossibilitadas de acontecer, pelo singela razão de não ter quem assine a Ordem de Vigilância e Repressão, que autoriza a realização de tais operações. O mesmíssimo problema acontece em outras regiões do País e vem sendo resolvido com a assinatura das OVR’s pelos próprios Superintendentes, que avocaram para si a responsabilidade e fizeram valer o interesse público. 

Para Tales Queiroz, presidente do Sindireceita no Pará, “apesar da greve dos auditores fiscais, os analistas tributários, que sempre foram linha de frente na Aduana, estão a postos e dispostos para trabalhar no cumprimento dos objetivos institucionais da Receita Federal e na defesa dos interesses do País e da população, bastando que a Administração viabilize as operações”. 

Vale frisar que a Amazônia tem vasta área de fronteira, historicamente desprotegida. Com a palavra, o superintendente Moacir Mondardo Júnior, da 2ª RF da Receita.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *