0
Parte significativa do território de Breves é de responsabilidade da União, por causa das unidades de conservação e assentamentos de reforma agrária. Conflitos fundiários e questões ambientais proliferam e as queixas quanto à ausência de apoio do Incra e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) ao município são muitas. 

Quilombolas das associações São Sebastião Cipoal e São Tomé Tauçú no rio Acutipereira, em Portel, também reivindicam a legalização de territórios junto ao Incra. A questão da exploração madeireira na Floresta Nacional de Caxiuanã, que afeta Melgaço e Portel, é outro tema que mobiliza os ribeirinhos. Eles exigem compensações ambientais pela retirada de madeira. Em edital, o Serviço Florestal Brasileiro concedeu por 40 anos os direitos de exploração na Flona a empresas madeireiras que têm sede fora da região.
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, presidente da Academia Paraense de Jornalismo, membro da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Marajó e seus problemas recorrentes

Anterior

Polvinhos para bebês na UTI

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *