Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Conflito na lavra de ouro na APA Tapajós

O juiz federal Rafael Leite Paulo concedeu liminar em ação civil pública ajuizada pelo MPF e mandou que a mineradora Ouro Roxo se abstenha de lavra na área de Proteção Ambiental Tapajós, na região da Vila São José, município de Jacareacanga, no Oeste do Pará. Também determinou à Secretaria de Estado de Meio Ambiente que suspenda todos os procedimentos administrativos de licenciamento ambiental em nome da mineradora e seu proprietário, Dirceu Santos Frederico Sobrinho, e que não renove ou modifique eventuais licenças já concedidas, sob pena de multa diária de R$ 5 mil. Ao Departamento Nacional de Proteção Mineral, que suspenda o procedimento administrativo minerário nº 852.678/1993, que tem por objeto final a concessão de lavra em nome da mineradora e Dirceu Sobrinho. Um conflito se instalou na comunidade em razão da exploração de ouro. Em outubro deste ano, as promotoras de justiça Ione Missae Nakamura e Lilian Braga, pelo MPE-PA, e a procuradora da República Janaína Andrade, pelo MPF, estiveram em Itaituba e Jacareacanga para tratar de temas relacionados à regularização da atividade minerária. 

O cerne da ação é que, por ser considerada tradicional, o direito de exercer a atividade de garimpagem é da comunidade, cuja origem é anterior à chegada da mineradora, que, diz o MP, sequer tem licença de operação válida, tendo a última expirado em outubro do ano passado.
Ao conceder a antecipação da tutela, o magistrado considerou o “perigo da demora”, que acarretaria “sobretudo, prosseguimento da situação lesiva aos legítimos interesses da comunidade São José e da sociedade em geral”.

O juiz estabeleceu, à mineradora Ouro Roxo e a Dirceu Santos Frederico Sobrinho, multa diária por descumprimento no valor de R$ 5 mil. A Sema deve também entregar os procedimentos administrativos de licenciamento ambiental em nome da empresa e do dono, referentes à área tratada na ACP. Foi imposto, ainda, ao DNPM que analise os pedidos de Permissão e Lavra Garimpeira dos comunitários da Vila São José e que entregue ao Juízo o procedimento minerário nº 852.678/1993. Cabe recurso da decisão.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *