Barcos regionais a motor, veleiros, vigilengas, rabetas, bajaras, canoas ubás, igarités, catraias, botes fazem parte da memória afetiva, produtiva e econômica parauara, navegando pelo oceano Atlântico, baías, rios que mais parecem mares, lagos, igarapés, furos, estreitos, igapós e campos alagados…

Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Carta de Belém pela erradicação do trabalho infantil


Os participantes da MARCHA DE BELÉM PELA ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL, organizada pelo Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região, com o apoio do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, do Ministério Público do Trabalho da 8ª Região, do Ministério Público do Estado do Pará, da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego, da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Pará, e de mais 60 parceiros, reunidos na Praça da República ao término da Marcha, no dia 1º de março de 2015, na cidade de Belém-Pará, MANIFESTAM indignação e repúdio ao trabalho de crianças e adolescentes abaixo da idade mínima constitucionalmente estabelecida, bem como a convicção de que é urgente a necessidade de abolir, em definitivo, o trabalho precoce, mediante a garantia de educação básica gratuita, de qualidade, em tempo integral e que contribua para o desenvolvimento completo de crianças e adolescentes, além de assegurar o direito à profissionalização, a partir dos 14 anos de idade, como parte da formação educacional. 

REAFIRMAM, ainda, o mandamento expresso no artigo 227 da Constituição Federal de que é dever do Estado, da família e da sociedade assegurar proteção integral e absolutamente prioritária a ser devotada às crianças e aos adolescentes, em peculiar condição de desenvolvimento; impondo-se o cumprimento da meta assumida pelo Governo Brasileiro, perante a comunidade internacional, de erradicação do trabalho precoce até o ano de 2020. 

E, finalmente, DECLARAM que:

1. O trabalho infantil é uma das mais perversas formas de violação de direitos humanos e, por meio dele, outros tantos direitos fundamentais de crianças e adolescentes são violados, tais como o direito à educação, à saúde, ao lazer e à convivência familiar e comunitária; sendo inaceitável que infâncias continuem a ser destruídas, comprometendo o futuro decente de crianças e adolescentes exploradas no trabalho. 

2. O trabalho infantil suprime e ceifa sonhos e vidas de crianças e adolescentes que, por não terem atingido seu desenvolvimento completo, submetem-se a maiores riscos de acidente de trabalho, conforme demonstram as estatísticas, fato que deve impulsionar todos os setores da sociedade a intensificarem a luta pela erradicação do trabalho infantil. 

3. É inadmissível que, em pleno século XXI e há mais de 100 anos da abolição da escravatura, ainda tenhamos de conviver com o trabalho infantil doméstico, classificado como uma das piores formas de exploração de crianças e adolescentes, e que, por meio de sua invisibilidade e o manto de “filho/a de criação”, ainda seja visto como um ato de solidariedade por grande parte da população brasileira e, em especial, a paraense. 

4. O trabalho desenvolvido no interior das residências de terceiros, por crianças e adolescentes, constitui-se em exceção à regra da inviolabilidade da casa do indivíduo, de que trata o art. 5º, inciso IX, da Constituição Federal.

5. A responsabilidade social de todas as empresas (urbanas e rurais) vai muito além de não utilizar a mão de obra de crianças e adolescentes, mas também se estende à obrigação de não se admitir, em qualquer etapa de sua cadeia produtiva, a exploração do trabalho infantil, sob pena de serem responsabilizadas pelos danos causados, em todas as suas dimensões (individuais, coletivos e difusos). 

6. Todos os segmentos da sociedade precisam dizer NÃO ao trabalho infantil, não consumindo produtos ou serviços prestados por crianças e/ou adolescentes em idade proibida para o trabalho. E, ainda, devem declarar SIM à aprendizagem dos adolescentes, a partir dos 14 anos de idade, assegurando o seu direito à profissionalização como parte de sua formação educacional, respeitados todos os requisitos legais para o ingresso no mercado de trabalho. 

7. Embora as estatísticas do IBGE demonstrem que tenha havido significativa redução nos índices de trabalho infantil, é dever do gestor (federal, estadual e municipal) priorizar a implementação de políticas públicas que efetivem o direito fundamental de NÃO TRABALHAR antes da idade permitida, não lhe sendo dado invocar a cláusula da “reserva do possível”, diante da absoluta, prioritária e integral proteção da qual são destinatários as crianças e os adolescentes. Qualquer omissão ou política contrária enseja o ajuizamento de ações civis públicas para que o Poder Judiciário obrigue o agente estatal a respeitar a Constituição e as Leis da República Federativa do Brasil. 

8. A união de todos os segmentos, Poder Executivo, Poder Legislativo, Poder Judiciário, Ministério Público, sociedade em geral e família, é de fundamental relevância para intensificar as ações de conscientização e de interlocução com todo o sistema de garantia de direitos voltados à proteção de crianças e adolescentes, a fim de assegurar ações articuladas, estruturadas e em rede, das quais efetivamente participem Juízes do Trabalho, Juízes das Varas de Infância e Adolescência, Promotores de Justiça, Procuradores Federal e do Trabalho, Auditores Fiscais do Trabalho, Defensores Públicos, Advogados, e todos aqueles que, de alguma forma, atuem na área, para viabilizar alternativas de atendimento, inclusão e assegurar o direito ao NÃO TRABALHO de crianças e adolescentes. 

9. Deve ser conferida absoluta primazia à educação básica, obrigatória dos 4 aos 17 anos, por força da ordem constitucional e legal vigentes, garantindo-se educação de qualidade, em tempo integral, e formas de acesso ao trabalho decente e digno para todos, alicerçando a busca de um futuro melhor para as crianças e adolescentes do Estado do Pará e de todo o Brasil. 

Belém-Pará, 01 de março de 2015.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *