Desde sua origem, Marabá (PA) sofre anualmente enchentes dos rios Tocantins e Itacaiúnas e a população que reside em áreas de risco fica em situação de vulnerabilidade. Todos os anos a defesa civil estadual e municipal planeja, monitora e prepara…

Em noite de gala na próxima segunda-feira, 24, às 19h, no Teatro Maria Sylvia Nunes, em Belém, o governador Helder Barbalho vai lançar o 110º Campeonato Paraense de Futebol, o Parazão Banpará 2022, com transmissão ao vivo pela TV e…

Todos os órgãos de segurança estão trabalhando de forma integrada para dar suporte à população em face da destruição do pilar central e iminente desabamento do vão da ponte do Outeiro. O Centro Integrado de Comando e Controle da Segup…

O Procurador-Geral de Justiça do Estado do Pará, César Mattar Jr., recebeu em audiência o advogado Arnaldo Jordy e uma comissão integrada por Simone Pereira, da Universidade Federal do Pará; Marcelo Alves, da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e…

Batteka-Agouti

Alguém aí sabe o que quer dizer batteka? Significa “alegria” ou “gratidão” no idioma dos índios palikur, um povo de aproximadamente 2 mil habitantes que vive na fronteira entre o Brasil e a Guiana Francesa. E Agouti? Quer dizer, no dialeto crioulo da Guiana Francesa, cotia, um animal comum da região amazônica. Batteka Agouti
é o nome do projeto em que alunos da 6ª série da Escola Estadual Aldebaro Klautau, em Belém, aprendem a falar francês comunicando-se, por e-mail, com alunos guianos-franceses de Caiena. Trata-se de um trabalho sobre meio ambiente, criado pela professora Rosistela Pereira de Oliveira, que em 2005 montou um projeto piloto em que as crianças aprendessem a falar francês. Professores de outras disciplinas também participam. A de Artes dá aulas sobre a cerâmica.
O de Matemática prepara atividades envolvendo números, as quatro operações e as formas geométricas básicas. A proposta também está ligada a uma especialidade de Rosistela, a Informática Educativa, disciplina focada nas descobertas que os alunos fazem da tecnologia.

Graduada em História Africana, na França, onde morou por 10 anos, voltou ao Brasil em 1991, deu aulas do idioma pela Aliança Francesa em Goiás, licenciou-se em Francês em Belém, prestou concurso para a Seduc e, por meio dela, formou-se em Informática Educativa na França.
Rosistela desperta em seus alunos os diversos mundos e línguas que eles podem conhecer por meio da internet. “As mãozinhas dos meus alunos são de trabalhadores, que capinam. Aos poucos, eles começam a reconhecer e se apropriar do uso do mouse e do teclado”, conta Rosistela, uma paraense que merece reconhecimento.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *