Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Artesanato de Tohoku em Belém

Concebida para marcar o Grande Terremoto e Tsunami ocorridos em 11 de março de 2011 na região nordeste do Japão, a mostra das artes e artesanato de Tohoku, que engloba seis províncias: Aomori, Akita, Iwate, Miyagi, Yamagata e Fukushima, abre neste dia 23 de março no Museu de Arte Sacra, promovida pelo Consulado do Japão em Belém e a Fundação Japão, em parceria com o Governo do Estado do Pará, via Sistema Integrado de Museus e Memoriais e Museu de Arte Sacra.

São 70 obras em cerâmica, laca, têxtil, metal, madeira e bambu, entre outros materiais, que já foram expostas no Rio de Janeiro, Curitiba, Brasília e Manaus e, depois de Belém, viajarão para Recife, onde se encerrará a exposição.

O cônsul principal do Japão em Belém, Satoshi Morita, convida todos para que a prestigiem, lembrando que “essa região do nordeste do Japão é conhecida por suas belas paisagens montanhosas e marítimas e tem cultura riquíssima, que poderá ser conhecida através dessas obras de diversos gêneros do cotidiano.

A arte popular de Tohoku permite apreciar a “beleza do útil”, do Movimento Mingei, surgido no Japão em 1926, do qual são expoentes artistas como Kanjiro Kawai, Shoji Hamada, Keisuke Serizawa e Shiko Munakata, liderados por Soetsu Yanagi.

No Japão existem vários tipos de cestos, caixas e equipamentos agrícolas feitos de cascas de árvores e videiras. Usando bambu, ramos da parreira e akebi (Akebia quinata), moradores das regiões nevadas de Tohoku participam da prática sazonal de trançar cestos e caixas, recipientes extremamente funcionais para o dia a dia, durante o período de inverno.

A cerâmica japonesa é singular e de uso especial. Os objetos na mostra de Tohoku são desde obras antigas, assadas em fornos estabelecidos no período Edo, até trabalhos originais criados por artistas mais recentes.

Kogin é um tipo de ponto de bordado passado de geração em geração no distrito de Tsugaru, província de Aomori. Originalmente era o nome dado para as roupas de trabalho daquela região. Basicamente, trata-se de um tecido de cânhamo, tingido de índigo e reforçado com pespontos de algodão branco. Durante o período Edo, foram editadas leis suntuárias dirigidas a camponeses e agricultores, que lhes permitiam usar apenas quimonos de cânhamo e não de algodão. Mas os quimonos feitos de fibras cruas de cânhamo não eram adequados aos invernos rigorosos de Tohoku. Assim, os fios de algodão se tornaram disponíveis e agricultores locais passaram a reforçar os tecidos com pontos densos, que os protegiam do frio inclemente.

Embora o número de técnicas de tingimento e tecelagem em Tohoku seja limitado em comparação com locais mais desenvolvidos da indústria têxtil japonesa como Kyoto ( a antiga capital do Japão), a cultura de tecelagem de Tohoku é única. O tecido Akita Hachijo (seda com tingimento natural) da província de Akita e as técnicas de tingimento artesanal Tsuru-gaki da província de Fukushima – ambos presentes nesta exposição – são exclusivas da região.

Já a técnica aplicada na casca de madeira é conhecida pela beleza das superfícies lisas e pelo aroma natural do cedro de Akita, que é extremamente resistente. Kaba-zaiku é um produto famoso de Katsunodate, na província de Akita, onde a casca das cerejeiras das áreas montanhosas é aplicada a um substrato de madeira chamado Mokutai.

Há tempos, a região de Tohoku é conhecida especialmente pelas fundições em metal, representadas por bules e sinos de vento, feitos de ferro e conhecidos como Nambu-tekki (utensílios de ferro Nambu) e Yamagata-imono (fundição Yamagata). O nome Nambu vem do poderoso clã de samurais da região de Nambu, em Tohoku, que comandou o lugar durante o período Edo. O estilo Arare-gama, ao qual remontam as chaleiras de ferro fundido, tem esse nome por causa do padrão simétrico formado por saliências que lembram Arare (pedra de granizo).

A boneca Kokeshi, as pipas, os bonecos ritualísticos e as velas decoradas (E-rosoku) são produtos únicos da região de Tohoku. Não apenas pelo seu formato, mas também pelas pinturas decorativas – como a da deusa da beleza (Kisshoten) na pipa – que servem como motivos auspiciosos que exprimem orações pela segurança, felicidade e prosperidade das pessoas.

Peças e utensílios laqueados são produzidos em toda a Ásia desde a Antiguidade. Na era moderna, no entanto, o trabalho refinado com laca tornou-se uma arte tão associada ao Japão que passou a ser chamado de “Japan” em todo o mundo. As peças laqueadas Joboji preservam e transmitem para as gerações seguintes um método tradicional de coletar a seiva da laca, conhecido como “Urushi-kaki”, de forma a não danificar as árvores ancestrais.

No dia 24 de março, a partir das 16h, paralelamente à exposição “A beleza do artesanato de Tohoku”, será proferida palestra pelo professor Dr. Afonso Medeiros. Doutor em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP, professor titular de Estética e História da Arte do ICA/UFPA, Afonso pesquisou a arte japonesa em seu curso de especialização em História da Arte pelo Teacher’s Training Program e no mestrado em Ciência da Educação/Arte-educação na Universidade de Shizuoka – Japão, ambos por meio das bolsas de estudo MEXT (Ministério da Educação, Cultura, Esporte, Ciência e Tecnologia) do Governo do Japão.

Serviço:
Exposição “A Beleza do Artesanato de Tohoku – Japão”
Onde: Museu de Arte Sacra (Praça Frei Caetano Brandão, Cidade Velha)
Quando: 23 de março a 24 de abril de 2022
Horário de visitação: de terça-feira a domingo, de 9h às 17h

Palestra “Japão: Entre Arte e Artesania” – Prof. Dr. Afonso Medeiros
Quando: 24 de março, às 16h

Oficina “Artesanato e Origami” – Prof.ª Rosa Kamada
Quando: 26 de março, às 10h

Agendamento para escolas: 91-4009-8695 ou e-mail: simm.educacao@gmail.com

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *