A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O governador Helder Barbalho está soltando a conta-gotas os nomes dos escolhidos para compor o primeiro escalão de seu segundo governo. Nesta quarta-feira será a posse dos deputados estaduais e federais e dos senadores, e a eleição para a Mesa…

Pela primeira vez na história, está em curso  um movimento conjunto da Academia Paraense de Letras, Academia Paraense de Jornalismo, Instituto Histórico e Geográfico do Pará e Academia Paraense de Letras Jurídicas, exposto em ofício ao governador Helder Barbalho, propondo…

André Nunes e as lembranças do Xingu

Estava tudo muito lindo e gostoso no lançamento do livro “Xingu – Causos & Crônicas” e relançamento de “A Batalha do Riozinho do Anfrísio”, do velho comunista André Costa Nunes, pajé Xipaia, Dom Quixote tupiniquim que vive na beira do Uriboca, em plena região metropolitana de Belém,  e transferiu um pedacinho da “Terra do Meio“, a mesopotâmia entre os rios Xingu e Iriri, para a Estação das Docas, ontem à noite. Amigos de sempre, alguns de toda a vida, outros mais novos que ele conquista todo dia com sua verve de curupira, estavam lá, para o abraço fraterno, o papo irreverente, o sorriso largo. 

Já tinha sido, com antecedência, presenteada com o meu exemplar de “Xingu”, autografado com o carinho típico do André, que é um príncipe. O épico “A Batalha do Riozinho do Anfrísio – Uma História de Índios, Seringueiros e Outros Brasileiros” – que o Waldemiro Gomes sugere transformar num filme intitulado “Xingu” – ganhei num domingo lindo de novembro de 2009, no restaurante Terra do Meio, lugar paradisíaco com um cardápio dos deuses, durante almoço que acabou na hora do jantar, com direito a filhote ao leite da castanha, mojica e pato no tucupi. De entrada, bolinhos de piracuí. Lembro que, naquele dia,  André foi agraciado com a comenda Chef Uruá-Tapera, entregue na hora. 

Pois bem. André avisou o Curupira, o Boitatá, o Saci-Pererê, a Mãe-d’Água. E saiu mundiando as pessoas. Todo mundo foi lá, contar causos, dar muitas gargalhadas e brindar à vida e à amizade. André estava feliz. E nós também.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *