0
Foto: Ascom Emater-PA
Vejam que legal: em Salvaterra, no arquipélago do Marajó, a cueira, árvore nativa da região, vem sendo utilizada na fabricação de artesanato por 16 mulheres que integram a Associação Educativa Rural de Joanes e transformam cuias em bonecas, arranjos de parede e utensílios.
As artesãs marajoaras são atendidas pela 
Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater-PA), através de chamada pública do Ministério do Desenvolvimento Agrário. Com a capacitação, elas agora têm acréscimo de pelo menos 20% na renda familiar. A maioria delas é casada com pescadores,  e desenvolvia só atividades domésticas. O artesanato, que também pode ser feito por encomenda e de forma personalizada, não agride o meio ambiente. São utilizadas também sementes para biojoias e ossos de peixes – da gurijuba e do bagre -, para a fabricação de crucifixos, tudo coletado na natureza. 
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, membro da Academia Paraense de Jornalismo, da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Arcon divulga contato

Anterior

André Nunes e as lembranças do Xingu

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *