Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Alepa argúi dirigentes de órgãos estaduais

O médico Vítor Mateus, diretor geral do Hospital Ofir Loyola, e Eduardo Monteiro da Costa, presidente da Fapespa, acabam de ser arguídos pela Assembleia Legislativa do Pará, em sessão presidida pelo deputado Márcio Miranda(DEM). Agora, é a vez de Jorge Bittencourt, presidente do Propaz, que está na tribuna fazendo sua apresentação. E já está assentado na mesa diretora, esperando a vez de ser sabatinado, Jorge Rezende, presidente do Inmetro-Pará. Um verdadeiro esforço concentrado da Alepa a fim de cumprir o mandamento constitucional da arguição – que, por sinal, deveria ser prévia.

O clima é de tranquilidade em plenário. Mas o deputado Martinho Carmona(PMDB) suscitou uma questão que chamou a atenção. Lamentou a falta de autonomia do secretariado estadual, exemplificando com a desistência do governador em fazer viagem internacional de suma importância na sua opinião, diante da crise na área de Educação. Lembrando que os dirigentes de órgãos públicos respondem – inclusive pessoalmente, perante os tribunais de contas – por seus atos e decisões, Carmona perguntou por que o governador não pode ficar livre para cumprir sua agenda se nomeou secretários justamente para que cada um cuide da respectiva área. 

É de fato um caso que leva à reflexão. Por que os secretários não conseguem resolver as situações de crise, e os conflitos só são resolvidos quando o próprio governador chama para si  as negociações? 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *