Em Itupiranga, força-tarefa do Ministério Público do Trabalho no Pará e Amapá, Auditoria Fiscal do Trabalho, Defensoria Pública da União e Polícia Federal resgatou sete trabalhadores em condições análogas às de escravos, em duas fazendas no sudeste paraense, e prendeu…

Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Adolescente em cárcere privado e torturada pelo namorado(foto)

M.A.F. tem rosto e corpo de criança e aparenta no máximo 15 anos, mas já viveu momentos de horror. Ela é marajoara de Portel e fugiu de sua família para viver com o namorado, que a mantinha em cárcere privado e, com requintes de perversidade, amarrava a menina em uma cadeira, amordaçava-a e a queimava com facas quentes. O corpo dela, todo mutilado, prova as torturas que sofreu, principalmente no abdômen, coxas e pernas.

Para escapar ela resolveu obedecer ao seu algoz em tudo para ganhar sua confiança e, quando as feridas sararam, pediu que ele a levasse consigo para a cidade (viviam em Majari, localidade no interior), prometendo que “se comportaria”. O torturador concordou e deixou a garota na casa da mãe dele enquanto foi à feira vender farinha. Então ela aproveitou e correu para o meio da rua gritando por socorro. A princípio, as pessoas não entenderam e ninguém se aproximou dela. Só uma vizinha estranhou e foi acudi-la, e a vítima relatou seu sofrimento atroz, mostrando as cicatrizes em seu corpo.

Com muito medo, a adolescente afirmou ter 18 anos, mas todos perceberam que é de menor idade, por seus traços infantojuvenis. A senhora que a socorreu levou-a para sua casa e acionou o Conselho Tutelar, que por sua vez chamou o Creas e levaram a menina para registrar o BO na delegacia de polícia local, onde também presumiram ser menor, preservaram seu nome e requisitaram exame de corpo de delito, já feito. Ela não tem qualquer documento e é possível que sua família a esteja procurando.

A Prefeitura de Porto de Moz divulgou nota assinada pela secretária municipal da Mulher, Richele Campos de Souza; pela advogada Ivana Guerra Pontes; pelas assistentes sociais Luyanne Lima Charopa e Luciane Vieira Gomes e pela psicóloga Mendes dos Santos, assegurando que a adolescente está recebendo o acompanhamento necessário.

A Comissão Justiça e Paz da CNBB Norte 2 recebeu a denúncia e de imediato comunicou ao Ministério Público do Estado do Pará, pedindo providências urgentes, o que de pronto foi atendido. A CJP também acionou a Polícia no arquipélago do Marajó, que já está tentando identificar e localizar a família da menina. O torturador, que se chama Jumar Barros Marques (foto), está foragido.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *