Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Em iniciativa inédita, o Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro celebra os percursos individuais e coletivos que construíram as políticas de salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil, lançando a obra “Em Defesa do Patrimônio Cultural”, organizado por…

Neste sábado, 16, postos de saúde ficarão abertos para a vacinação com foco em menores de 15 anos. Em Belém, 11 unidades vão funcionar das 8h às 14h. A campanha da Multivacinação iniciou no dia 04 de outubro e segue…

De autoria do carnavalesco e professor Paulo Anete, o enredo para o Carnaval 2022 da Escola de Samba Grêmio Recreativo Carnavalesco e Cultural Os Colibris, de Belém do Pará, é “Zélia Amada/ Zélia de Deus/ Zélia das Artes/ Herdeira de…

ADIn contra sublimite do Simples

O Diretório do PMDB no Pará aproveitou uma queixa dos micro e pequenos empresários que vem se arrastando sem solução e ajuizou Ação Declaratória de Inconstitucionalidade em face do Decreto estadual 884, editado pelo governador Simão Jatene em 30 de outubro do ano passado, que manteve o sublimite estadual do Simples em R$ 1,8 milhão. O Pará é, ao lado de Mato Grosso do Sul, o Estado brasileiro que adota o menor sublimite do País – exatamente a metade do teto, fixado em R$ 3,6 milhões. Instituído por Lei Complementar em dezembro de 2006, o Simples Nacional é um sistema diferenciado, que consolida, num único recolhimento, diversos tributos federais – entre os quais Imposto de Renda e IPI, além de contribuição previdenciária patronal, o ICMS (estadual) e ainda o ISS (municipal). 

O presidente em exercício do PMDB no Pará, Helder Barbalho, aponta vício de inconstitucionalidade. O advogado Alex Centeno, que subscreveu a ação, junto com João Maria Lobato da Silva, considera que o decreto tem falhas na sua fundamentação: “Ocorre que um decreto estadual não pode regulamentar uma lei de origem federal, o que resulta em um sublimite sem uma base para torná-lo válido”.
A ideia básica para entender a questão, segundo ele, seria buscar o fundamento do decreto estadual numa lei estadual. Como, porém, não existe essa lei, o decreto nada regulamenta, pelo simples fato de que ele não pode regulamentar uma lei que não existe. “Pelo contrário, ele (o decreto) cria nova norma tributária, tendo natureza autônoma, o que por sua vez torna a questão inconstitucional ao violar os mais valorosos princí­pios tributários”, argumenta.

Sem dúvida, uma dor-de-cabeça que Jatene poderia ter evitado se tivesse ouvido os reclamos do Conjove, que inclusive era presidido até recentemente pelo atual presidente do Imetro/Pará, Fabrizio Guaglianone, hoje integrante do secretariado estadual.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *