Barcos regionais a motor, veleiros, vigilengas, rabetas, bajaras, canoas ubás, igarités, catraias, botes fazem parte da memória afetiva, produtiva e econômica parauara, navegando pelo oceano Atlântico, baías, rios que mais parecem mares, lagos, igarapés, furos, estreitos, igapós e campos alagados…

Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

ADIn contra sublimite do Simples

O Diretório do PMDB no Pará aproveitou uma queixa dos micro e pequenos empresários que vem se arrastando sem solução e ajuizou Ação Declaratória de Inconstitucionalidade em face do Decreto estadual 884, editado pelo governador Simão Jatene em 30 de outubro do ano passado, que manteve o sublimite estadual do Simples em R$ 1,8 milhão. O Pará é, ao lado de Mato Grosso do Sul, o Estado brasileiro que adota o menor sublimite do País – exatamente a metade do teto, fixado em R$ 3,6 milhões. Instituído por Lei Complementar em dezembro de 2006, o Simples Nacional é um sistema diferenciado, que consolida, num único recolhimento, diversos tributos federais – entre os quais Imposto de Renda e IPI, além de contribuição previdenciária patronal, o ICMS (estadual) e ainda o ISS (municipal). 

O presidente em exercício do PMDB no Pará, Helder Barbalho, aponta vício de inconstitucionalidade. O advogado Alex Centeno, que subscreveu a ação, junto com João Maria Lobato da Silva, considera que o decreto tem falhas na sua fundamentação: “Ocorre que um decreto estadual não pode regulamentar uma lei de origem federal, o que resulta em um sublimite sem uma base para torná-lo válido”.
A ideia básica para entender a questão, segundo ele, seria buscar o fundamento do decreto estadual numa lei estadual. Como, porém, não existe essa lei, o decreto nada regulamenta, pelo simples fato de que ele não pode regulamentar uma lei que não existe. “Pelo contrário, ele (o decreto) cria nova norma tributária, tendo natureza autônoma, o que por sua vez torna a questão inconstitucional ao violar os mais valorosos princí­pios tributários”, argumenta.

Sem dúvida, uma dor-de-cabeça que Jatene poderia ter evitado se tivesse ouvido os reclamos do Conjove, que inclusive era presidido até recentemente pelo atual presidente do Imetro/Pará, Fabrizio Guaglianone, hoje integrante do secretariado estadual.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *