Em iniciativa inédita, o Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro celebra os percursos individuais e coletivos que construíram as políticas de salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil, lançando a obra “Em Defesa do Patrimônio Cultural”, organizado por…

Neste sábado, 16, postos de saúde ficarão abertos para a vacinação com foco em menores de 15 anos. Em Belém, 11 unidades vão funcionar das 8h às 14h. A campanha da Multivacinação iniciou no dia 04 de outubro e segue…

De autoria do carnavalesco e professor Paulo Anete, o enredo para o Carnaval 2022 da Escola de Samba Grêmio Recreativo Carnavalesco e Cultural Os Colibris, de Belém do Pará, é “Zélia Amada/ Zélia de Deus/ Zélia das Artes/ Herdeira de…

Batizada de sagui-de-Schneider (Mico schneideri), em homenagem ao pesquisador brasileiro Horácio Schneider (1948-2018), geneticista da Universidade Federal do Pará e pioneiro da filogenética molecular de primatas, a descoberta alvoroçou a comunidade científica internacional. A nova espécie de sagui amazônico do…

À espera do trem que já vem

O cenário político parauara é surreal. O DEM foi quebrado em três: a turma de Lira Maia/Nélio Aguiar, a de Hélio Leite (ambos no governo estadual, partilhando a Seel) e a de Márcio Miranda, que ficou fora. O PSDB aderiu oficialmente e restou o grupo dos deputados estaduais e federais, todos governistas, que estão dividindo a Setur; e o pessoal fiel a Simão Jatene e Zenaldo Coutinho. Os tucanos deverão alçar voo, vai depender da candidatura de Tasso Jereissati a presidente da República.  

Os partidos que se dizem de oposição ao governador Helder Barbalho fazem um discurso para a plateia e outro em palácio. E não largam as benesses, enquanto esperam um fato novo que permita um passo que não seja em falso. O senador Zequinha Marinho, do PSC, por exemplo, anda pelo interior dizendo que será candidato a governador, mas detém vários cargos estratégicos no governo, principalmente no sul do Pará. E não larga mesmo sendo alvo preferencial da tropa de choque helderista, que bate nele sem dó nem piedade, nas redes sociais. Ao mesmo tempo, acena com possibilidades de acordo.  

Já o PSD diz que vai lançar candidatos aos cargos majoritários. O advogado Helenilson Pontes, presidente da sigla no Pará, disputará o governo ou o Senado. Mas ele é o primeiro suplente do senador Jader Barbalho e mantém vários cargos na administração estadual ocupados por seus indicados. Outro dia o deputado federal Joaquim Passarinho deu uma pista das razões da insatisfação pessedista, em uma referência a Bolsonaro: “_Governo honesto respeita acordos, cumpre compromissos, resgata promessas”. Hummm, hummmm…, diria o meu amigo filósofo mudo de Oriximiná, embaralhando as cartas de seu jogo. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *