Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

A chaga do trabalho escravo

Há exatos 126 anos, a Lei Áurea era sancionada pela princesa Isabel – então regente do Império do Brasil, primeira senadora brasileira e primeira mulher a assumir a chefia de Estado no continente americano – em 13 de maio de 1888, pondo fim a três séculos de escravidão oficial. Foi o resultado de uma batalha legislativa que começou ainda na década de 1870. Abolicionista convicta, a princesa enfrentou a ira dos escravagistas desde a luta pela aprovação da Lei do Ventre Livre, em 1871, e financiava com seu dinheiro não só a alforria de dezenas de escravos, mas também o Quilombo do Leblon, que cultivava camélias brancas – a flor-símbolo da abolição. Vossa Alteza libertou uma raça, mas perdeu o trono“, ouviu de João Maurício Wanderley, o Barão de Cotegipe, logo depois da aprovação da lei. A profecia se cumpriu. Cerca de um ano e meio depois, a República foi proclamada.

Quando assumira pela terceira vez a regência, em 3 de junho de 1887, a princesa Isabel tinha tratado de se livrar do conservador primeiro-ministro, o Barão de Cotegipe, e o substituíra, em março de 1888, por João Alfredo Correia de Oliveira, para fazer frente aos escravocratas na Assembleia Nacional durante a votação do projeto de lei. Com isso, evitou que o Estado brasileiro indenizasse os proprietários de escravos pelo fim da escravidão, como eles pleiteavam tanto no Legislativo quanto no Judiciário. 

Os séculos de escravidão deixaram marcas profundas na sociedade brasileira. Até hoje, a população negra tem salários mais baixos, na média, e piores condições de vida do que a população “branca”, embora, a rigor, todos sejamos mestiços. E apesar de a Constituição Federal e os tratados e convenções internacionais proibirem, tanto no Brasil quanto em outros países do mundo persiste a exploração do trabalho em condições análogas ao escravo.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *